Deputado evangélico fala sobre a pressão da bancada evangélica para barrar kit gay

0
Deputado evangélico fala sobre a pressão da bancada evangélica para barrar kit gay
Deputado evangélico fala sobre a pressão da bancada evangélica para barrar kit gay

Há um ano a presidenta Dilma Rousseff colocou fim no projeto chamado de kit anti-homofobia, outro hora (Kit Gay) que seria distribuído pelas escolas públicas em todo o Brasil. Como um dos opositores ao material, o deputado federal João Campos concedeu entrevista ao portal Terra esclarecendo os motivos que fizeram com que a Bancada Evangélica, da qual é presidente, se colocasse contra o kit do Ministério da Educação.

Campos, assim como outros parlamentares, é contra o projeto por acreditar que ele incentivaria o homossexualismo no lugar de tratar sobre o preconceito. “Essa questão de orientação sexual é algo que diz respeito à vida privada, não à escola. Quem faz a opção, a gente respeita, mas agora o poder público financiar um programa que vai estimular os adolescentes a serem homossexuais é errado”, disse.

Na época que os parlamentares mais conservadores decidiram agir contra a entrega do chamado “kit gay” a situação do então ministro-chefe da Casa Civil, Antônio Palocci, estava bastante complicada, já que ele era investigado por enriquecimento ilícito, mas João Campos nega ter usado o caso como “moeda de troca” para barrar a entrega do material que continha cartilhas e vídeos.

“A questão do Pallocci não era necessariamente cancelar o kit, mas forçar a presidente a nos receber, nos ouvir, já que buscávamos falar com ela há algum tempo a respeito desse assunto. Na medida em que nos posicionamos, Dilma então recomendou ao ministro Gilberto Carvalho que nos recebesse em nome dela”, afirmou.

Depois de toda a pressão, o ministro resolveu anunciar, no dia 25 de maio de 2011, que o projeto fora vetado pela presidenta. Mas mesmo contente com a “vitória”, Campos não acredita que o assunto homofobia precisa deixar de ser tratado nas escolas.

“Até pode [ser discutido nas escolas], mas discordamos daquele material, cujo conteúdo, ao invés de prevenir a homofobia, fazia apologia ao homossexualismo, no sentido de incentivar o jovem a fazer opção por essa orientação sexual”.

Via Gospel Prime

Deixe uma resposta