Juiz usa a Bíblia para negar indenização por espera em banco

3
Juiz usa à Bíblia para negar indenização por espera em banco
Juiz usa a Bíblia para negar indenização por espera em banco

Um advogado da cidade de Cascavel (PR) entrou na justiça pedindo indenização para o Banco Bradesco por ficar 38 minutos na fila de atendimento. Para sua surpresa o juiz Rosaldo Elias Pacagnan, do 1º Juizado Especial Cível da Comarca de Cascavel usou o versículo de Eclesiastes para negar o pedido.

“Tudo tem seu tempo determinado”, citou o juiz que acrescentou ao texto bíblico o dizer “Há tempo de ficar na fila, conforme-se com isso”. O juiz entendeu que o cliente estava exigindo algo que não tinha direito.

“O dano moral não está posto para ser parametrizado pelos dengosos ou hipersensíveis”, disse Pacagnan que ainda afirmou que qualquer ser humano com capacidade de sentir emoção “conseguirá perceber que não estamos diante de mero dissabor do cotidiano”.

O magistrado ainda usou um personagem de histórias em quadrinhos em sua sentença dizendo que apenas o Astronauta, personagem de Maurício de Souza anda com uma redoma de vidro e não pega fila “pois vive mais no espaço sideral do que na Terra”, sentenciou.

“Nem tudo por ser na hora, pra já, imediatamente, tampouco em cinco ou dez minutos. Nem aqui, nem na China”, escreveu o juiz que entende que as filas nos bancos são indesejáveis, mas toleráveis e fazem parte do cotidiano.

O advogado entrou com pedido de indenização se baseando na Lei Estadual 13.400/2001 que estabelece no Paraná o limite máximo de 20 minutos para o atendimento em agências bancárias. “Apesar de ser um bom juiz, que dá sentenças bem fundamentadas, desta vez ele não foi feliz”, disse o autor do processo, o advogado Éden Osmar da Rocha Junior que vai recorrer da sentença.

Com informações Folha.com

3 COMENTÁRIOS

  1. 09/05/2009 – 10h37
    Febraban paga encontro de juízes em resort na Bahia

    Publicidade

    CLAUDIA ROLLI
    da Folha de S.Paulo
    SILVIO NAVARRO
    do Painel

    Hoje na Folha Um grupo formado por 42 juízes do trabalho e ministros do TST (Tribunal Superior do Trabalho) teve passagens, hospedagem e refeições pagas pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos) para participar de um congresso promovido pela entidade em um resort cinco estrelas na Praia do Forte (BA), durante o feriado prolongado de 21 de abril.

    http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u563047.shtml

  2. Já ouvi dizer que os bancos são os que mais lucram neste país, os mais ricos e que apenas trabalham com o dinheiro dos outros. Bem que eles poderiam empregar maior quantidade de funcionários para proporcionar um melhor e mais rápido atendimento aos clientes. A bíblia também nos diz em Pv 22:16 : …o que dá ao rico, certamente empobrecerá.

Deixe uma resposta