Conversão fez jogador abandonar a mentira

0
Jogador se converte, abandona a mentira
Jogador se converte, abandona a mentira

Conversão fez jogador abandonar a mentira.No início deste ano o lateral-esquerdo Jorbison do Flamengo fez o impensável.

Ao retornar de empréstimo junto ao Duque de Caxias, procurou um diretor da equipe e disse:

– Eu me converti, preciso me batizar e não posso mais mentir. Sou gato. Meu nome é Maxwell, e não Jorbison.

O jogador chegou ao Flamengo em 2006, mas seus documentos estavam adulterados. Ele nasceu em 1989 – e não em 1991, como constava na certidão apresentada. Seu nome verdadeiro é Maxwell Batista da Silva – e não Jorbison Reis dos Santos.

A mentira da mudança de idade permitiu que Maxwell jogasse “abaixo” de sua categoria etária durante o período que esteve nas divisões de base. Com isso, ele foi até convocado para a Seleção Brasileira Sub-20, para a disputa de um torneio no Uruguai em janeiro de 2010.

Diante da revelação, Flamengo e jogador acordaram com uma rescisão de contrato, publicada no Boletim Informativo Diário da CBF (BID) em 13 de janeiro.

Quatro dias depois, em 17 de janeiro, o BID publicou o contrato de Maxwell Batista da Silva, agora ligado ao Sport Club Corinthians Alagoano. Com duração de três anos, o contrato foi assinado um dia antes da rescisão com o Flamengo. Jorbison deixara de existir futebolisticamente, e Maxwell “nasceu de novo” para o futebol.

No Twitter, Maxwell já havia mudado sua identidade no final de 2011. Deixou de ser @jorbison35 e passou a ser @baianoo35.

No site do Corinthians Alagoano, o jogador Maxwell aparece com seu novo uniforme e a data de nascimento verdadeira: 23/10/1989. Ou seja, está com 22 anos.

Nascido em Camacan, no Sul da Bahia, Maxwell foi rapidamente contratado pelo Flamengo em 2006, depois de passar pelo Artsul, time pequeno do interior do Rio. Tornou-se profissional em 2009 e disputou três partidas no Campeonato Brasileiro.

Embora fosse considerado uma promessa, nunca se firmou. Ano passado foi emprestado para o Duque de Caxias, onde disputou a Série B do Brasileirão.

A prática de adulterar documentos é conhecida no meio futebolístico como “gato”, mas geralmente são descobertas pelos clubes, nunca admitidas pelo jogador.

“Fico muito surpreso. Ninguém poderia ter ideia. Pelo biotipo dele, bastante franzino, jamais desconfiaria disso. Mas as más companhias conduzem a isso… O cara apresenta o documento e como vai fazer? É complicado” disse Kleber Leite, dirigente do Flamengo.

Já em Alagoas, Maxwell explicou resumidamente sua atitude, que parece estranha para a maioria das pessoas envolvidas com o futebol. “Eu não podia mais mentir”, disse.

Com informações Globo Esporte

Deixe uma resposta