10 de dezembro de 2016
Início Testemunho: Xexéu, baterista do Rodolfo Abrantes Testemunho - Xexéu, baterista do Rodolfo Abrantes

Testemunho – Xexéu, baterista do Rodolfo Abrantes

Testemunho - Xexéu, baterista do Rodolfo Abrantes

Ao portal Missão Gospel, Anderson Kuehne – conhecido como Xexéu – contou seu testemunho de vida e conversão. O baterista da banda de Rodolfo Abrantes relata o que vem fazendo hoje e como se sente realizado por servir a Cristo.

Leia o testemunho na íntegra:

Meu nome é Anderson Kuehne, meu apelido é Xexéu (meu pai colocou, mas nem sei ao certo o porquê). Sou o caçula de outros 2 irmãos , Leticia e Alessandro, o Manoel meu tio que mora conosco . Minha família é evangélica, meus avós eram músicos, tanto do lado da minha mãe quanto do meu pai. A música era muito presente na minha família. E quando descobri isso fiquei alucinado, querendo tocar algum instrumento. Comecei aos nove anos pelo mais pesado e mais barulhento: a bateria. Nunca fui de ter CD’s em casa, fui aprendendo de ouvir, e vendo os bateristas tocando.

Aos 16 anos fui convidado a fazer parte de uma banda, que teve até CD gravado, tocado em rádios e na televisão, teve até clipe na MTV. Aprendi muito com os músicos com quem toquei, mas como era muito novo, aprendi também muitas coisas ruins. Tive experiências com drogas. E as vezes que usei, eram sempre muito ruins, ‘bad trip’, me deixavam muito irritado e depois depressivo. Na real, nunca curti, porque conhecia a palavra de Deus e o mundo espiritual, e sabia que aquilo não era bom pra mim. Tudo o que eu quis eu estava conseguindo na música, conheci e dividi o palco com grandes bandas nacionais, mas eu sentia que tinha a mão de Deus me guardando em todos os lugares que eu ia. As pessoas falavam: “Você tem alguma coisa diferente”. Eu ria e sabia que era Deus em mim, mas tinha vergonha de falar pras pessoas, pois achava que elas poderiam me rotular de ‘fanático’, ‘crente doente’, etc.

Eu sempre ia a cultos, não importava a igreja, mesmo tocando o terror nas noites. Ao chegar dos shows, eu voltava com a consciência pesada, pois no fundo não gostava de ser conivente com a destruição de várias vidas que via se acabando. Ainda tentei tocar por mais algum tempo. Foi aí que em 2003, soube que meu pai estava com câncer e que precisaria fazer uma cirurgia para retirá-lo, pois estava crescendo bastante. Então minha família inteira ficou abalada, e vi que nenhum dinheiro podia comprar a cura dele.

Felizmente ele se recuperou e vi nisso um mover de Deus, Ele estava fazendo o impossível. Meu pai então foi levantado presbítero, e logo pastor em uma igreja (FONTE de VIDA, do pastor Paulo Faquetti em Bal. Camboriú), e foi totalmente transformado com essa experiência de cura. E eu triste e afastado de Deus, perdido porque ainda não tinha encontrado o verdadeiro caminho. Então em uma vigília, meu pai orou a Deus que não aguentava mais me ver do jeito que estava, e que se Deus não fizesse minha vida mudar como mudou a dele, ele me veria morrer sem salvação.

Um tempo depois eu estava tomando banho e me senti muito mal, quase desmaiei. Fui ao médico ver o que podia ser e falei que estava tomando um remédio com efedrina pra ajudar no treino da academia, e ele me deu o maior susto, pois falou que era um remédio muito forte, já até tirado de circulação, pois pessoas passaram muito mal e outras até morreram.

Vi que Deus tinha me livrado da morte, e por pouco não estaria mais aqui pra contar minha história. Diante de tais acontecimentos, eu vi que deveria buscar a Deus, buscar uma transformação, e foi o que comecei a fazer. Fui deixando de tocar com as bandas, e comecei a buscar o que Deus tinha preparado pra mim. É impressionante como somos teimosos, porque lá no fundo eu sempre soube que o certo era estar com Deus, na presença dele, e vivendo pra Ele.

Hoje (2011) eu sirvo a Deus. Toco com os meus melhores amigos, que Deus colocou na minha vida, o Rodolfo Abrantes, o Victor Pradella por todo o Brasil.

Sou designer gráfico da Epic Studio do Guilherme Meneghelli que me deu oportunidade de trabalhar com o que amo fazer.

Minha família inteira serve a Deus, meus pais são pastores na minha cidade, e Deus tem me dado muito mais do que penso ou imagino, porque deixei os meus planos pra viver os Dele, porque os planos Dele pra nós são muito maiores do que podemos imaginar. Porque: “Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano, o que Deus tem preparado para aqueles que o amam.” (I Coríntios 2:9). Creia nisso e seja muito feliz!

Últimas notícias

Notícias mais lidas

Cultos onlie