Igreja Maranata processa pastores suspeitos de desvio de dízimo

0

A suspeita de desvio de mais de R$ 2 milhões arrecadados do dízimo pago por fiéis, além de compras superfaturadas e caixa dois, fez ex-membros da Igreja Maranata, no Espírito Santo, processarem três pastores e um contator.

Igreja Maranata processa pastores e contador por desvio de dízimos milionárioEntre os acusados de desvio dos dízimos arrecadados, está um ex-vice-presidente da instituição(foto), criada há 43 anos no estado e que já possui 5,5 mil templos no Brasil e em outros país. A ação corre na 8ª Vara Cível de Vitóriae o G1 teve acesso ao documento que aponta fraudes.

O Ministério Público Estadual (MP-ES) informou que as denúncias direcionam para diversas irregularidades. O contadorIgreja Cristã Maranata ES-ex-contador Leonardo-alvarenga suspeito de participar do desvio Leonardo Meirelles de Alvarenga disse, em nota, que só se pronunciará sobre a ação por meio de sua defesa. O G1 tentou contato com ex-vice-presidente da igreja, investigado no processo, mas ele não atendeu as ligações.

O Ministério Público Estadual (MP-ES) informou que as denúncias direcionam para diversas irregularidades. O contador suspeito de participar do desvio Leonardo Meirelles de Alvarenga disse, em nota, que só se pronunciará sobre a ação por meio de sua defesa. O G1 tentou contato com ex-vice-presidente da igreja, investigado no processo, mas ele não atendeu as ligações.

Como funcionava?
Um serviço que custaria, por exemplo, R$ 5 mil, era registrado como se valesse R$ 8 mil. Segundo a denúncia, a igreja pedia nota fiscal com valor superfaturado e no acerto de contas as empresas ficaram com o valor real do serviço. Os demais R$ 3 mil, nesse exemplo, eram desviados para o ex-vice presidente da igreja ou por pessoas indicadas por ele. “Vi documentos que comprovam que o patrimônio de um dos denunciados é assustador, incompatível com o que ele ganhava”, exemplificou o ex-pastor, que preferiu não se identificar. Ele ainda disse que há evidências de que a fraude acontecia desde 2006.

Investigação interna
Diante dos acontecimentos, a própria igreja maranata resolveu investigar, um procedimento administrativo foi aberto e uma comissão interna ouviu depoimentos, analisou o que aconteceu no escritório de contabilidade da igreja nos últimos 5 anos.

De acordo com o procedimento administrativo, somas que chegam a mais de R$ 20 milhões foram movimentadas nos últimos anos por meio de notas fiscais suspeitas. O dinheiro que teria sido usado, inclusive, para pagamento de prestação de imóveis, carros e compra de dólares enviados para o exterior pelo ex-vice-presidente.

Um grupo formado por ex-membros da Maranata investigou e montou um relatório sobre a atividade irregular na igreja. De acordo com o advogado que representa o grupo, Leonardo Schuler, os fornecedores, a pedido de um funcionário da igreja, emitiam notas fiscais superfaturadas como se os serviços houvessem sido realizadas, quando, na verdade, não eram.

Acusação
Shuler diz que as provas são bem contundentes. “Mas cabe as autoridades públicas tomarem as medidas”, conta. O advogado da igreja, Sérgio de Souza, alegou que a instituição é vítima. “ A igreja confirma que houve irregularidade e confirma mais ainda, que a própria Igreja foi ao MP-ES levar essa informação para que as medidas cabíveis sejam tomadas”, ressalta.

Afastamento
A Igreja Maranata, que tem sede em Vila Velha, na Grande Vitória, afastou quatro membros da diretoria após uma investigação interna. Além disso, foi contratada uma empresa de auditoria externa que avaliou as contas.

Segundo o ex-pastor que compõe o grupo de dissidentes que organizou a denúncia, o sentimento entre a comunidade de fiéis é de vergonha e constrangimento. “A situação é triste, vergonhosa, decepcionante. As famílias e toda a comunidade está envergonhada, tudo isso por causa de um pequeno grupo”, desabafa.

Com Informações G1 / Iforgospel

Deixe uma resposta