Bancada evangélica propõe projeto para legalizar ‘cura gay’

1
Bancada evangélica propõe projeto para legalizar 'cura gay'
Bancada evangélica propõe projeto para legalizar 'cura gay'

O paciente deita no divã e pede: não quer mais ser gay. O psicólogo deve ajudá-lo a reverter a orientação sexual?

Parlamentares evangélicos dizem que sim e tentam reverter uma resolução do Conselho Federal de Psicologia.
A reportagem é de Anna Virginia Balloussier e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 27-02-2012.
Um projeto de decreto legislativo quer sustar dois artigos instituídos em 1999 pelo órgão. Eles proíbem emitir opiniões públicas ou tratar a homossexualidade como um transtorno.
Segundo o projeto do deputado João Campos (PSDB-GO), líder da Frente Parlamentar Evangélica, o conselho “extrapolou seu poder regulamentar” ao “restringir o trabalho dos profissionais e o direito da pessoa de receber orientação profissional”.
O conselho de psicologia questiona se o projeto pode interferir na sua autonomia. Para o presidente do órgão, Humberto Verona, estão lá normas éticas para combater “uma intolerância histórica”.
Deve-se curar a “síndrome de patinho feio”, e não “a homossexualidade em si”, diz Toni Reis, presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Para ele, é o preconceito que leva um gay a procurar tratamento.
“[Ninguém diz] ‘cansei de ser hétero, vim aqui me transformar'”, completa Verona.
Freud explica?
O estudante de direito e homossexual Fábio Henrique Andrade, 18, foi mandado para o psicólogo pela primeira vez com dez anos. O filho deveria “tomar jeito” antes que virasse gay, na opinião de sua família adotiva.
A voz fina tirava o pai do sério. “Falava que era de veado.” E também o fato de ele só brincar com as meninas.
Para o pastor e deputado Roberto de Lucena (PV-SP), cruel é deixar “um homem em conflito” ao léu psicológico. Ele é relator do projeto de Campos, hoje sob análise da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara.
A princípio, Lucena crê que os pais têm o direito de mandar seus filhos para redirecionamento sexual. Mas reconhece que o tema deve ser discutido em audiência pública, prevista para as próximas semanas em Brasília.
Psicóloga cristã se diz vítima de ‘perseguição’
Marisa Lobo, 39, que se diz “psicóloga cristã”, luta contra o Conselho Regional de Psicologia do Paraná. Ela foi convocada a retirar da rede material vinculando psicologia e religião – o que fere o código de ética da categoria.
Um texto em seu blog sugere que para “alcançar a comunidade gay”, deve-se seguir o exemplo de Jesus, que “não concordava com certos comportamentos, porém tratava com tolerância e amor”.
Adepta da igreja batista, Lobo diz sofrer “perseguição religiosa”. Ela nega oferecer “cura” a pacientes gays e rejeita acusações de homofobia. Diz ter a mesma opinião da cantora Claudia Leitte: “Amo [gays], mas prefiro meu filho machinho”.
Para Verona, do Conselho Federal de Psicologia, “não existe psicólogo cristão: a psicologia é laica, a pessoa é cristã”. (Instituto Humanistas Unisinos)
Com informações: Portal Stylo

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta