Israel e EUA tramam guerra secreta contra Irã

0
Israel e EUA tramam guerra secreta contra Irã
Israel e EUA tramam guerra secreta contra Irã

A queda de um avião não-tripulado (drone) em solo iraniano é o evento mais recente de uma série de tentativas de retaliar seu plano nuclear. Analistas acreditam que a opção militar é inevitável.

A aeronave que caiu no território do Irã causou preocupação em Washington, pois seria uma confirmação de que os EUA estão envolvidos em algum tipo de atividade militar naquele país.

Esse foi o mais recente de uma série de eventos misteriosos, quase todos dirigidos contra o programa nuclear de Teerã. Parece existir uma operação secreta para abortar o esforço do Irã de construir uma bomba atômica.

O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney se recusou a fazer qualquer comentário sobre o caso. Mas um funcionário que falou anonimamente, reconheceu que o drone, operado pela CIA e criado para fotografar locais estratégicos, caiu em consequência de uma falha técnica.

A missão desta unidade não passou despercebida pelas autoridades iranianas. Embora tenha caído em uma região muito remota do leste do país, o governo do Irã disse que derrubou o avião-robô americano.

Embora exista preocupação de que a sofisticada tecnologia do robô caia nas mãos dos iranianos, o perigo pareceu menor para Washington que os riscos de uma operação militar de resgate do avião.

A administração Obama tem dito repetidas vezes que a opção militar para interromper o programa nuclear iraniano não é descartada, mas ainda estão tentando resolver isso através de pressão diplomática e econômica.

No entanto, alguns analistas, especialmente na Rússia e Israel, consideram que esta opção já está em andamento.

Vários outros eventos marcantes ocorreram este ano. No mês passado, uma explosão em uma instalação da Guarda Revolucionária Iraniana, que controla o programa nuclear, matou 16 pessoas, incluindo o general Hassan Moqaddam, um dos principais dirigentes do projeto nuclear.

Na semana passada, outra explosão ocorreu em uma fábrica de conversão de urânio em Isfahan, embora as autoridades não informaram sobre as consequências desse evento. Tudo indica que não é sabotagem e incidentes imprevistos.

Em julho, o físico nuclear Darioush Rezaie foi assassinado a tiros. Cerca de um ano atrás, o cientista Majid Shahriari morreu em consequência da explosão de um carro-bomba.

Tanto Israel quanto os EUA parecem estar atentos e preparados para qualquer situação inesperada. O Comando Militar de Defesa de Israel realizou semana passada um exercício em todo o país, simulando ataques de mísseis contra o país. Esta ação seria consequência do vazamento de um relatório mostrando que a Guarda Revolucionária do Irã está se preparando para a guerra e Israel seria o primeiro alvo.

Sirenes foram ouvidas em Jerusalém e no norte de Israel como parte do teste de um novo sistema de alerta. Os soldados  do Comando de Defesa analisaram os prováveis danos, caso  mísseis atinjam hospitais, escolas e outros edifícios públicos, onde um grande número de vítimas seria morta nesse tipo de ataque.  O mês passado, o Comando de Defesa também realizou treinamentos que simulavam um ataque maciço de mísseis convencionais à Tel Aviv.

Os temores de uma guerra regional têm sido impulsionados pelo debate público em Israel sobre fazer ou não um ataque preventivo contra o programa nuclear do Irã. A Agência Internacional de Energia Atômica confirmou recentemente que os iranianos estão trabalhando com o objetivo de criar armas nucleares.

Funcionários da agencia de inteligência israelense afirmam que a Guarda comandada pelo general Mohammed Ali Jafari recentemente fez todos os mísseis de longo alcance do Irã serem transferidos para locais mais seguros. Eles estariam preparando uma retaliação contra Israel. Embora esta mudança de política certamente contribua para uma maior hostilidade na Síria, no Líbano e, possivelmente, no novo regime no Egito, é improvável que uma Liga Árabe ataque a Israel em conjunto.

Mas esse embate pode tomar proporções globais. O jornal La Voz de Argentina informa que o vice-primeiro-ministro israelense, Moshe Yaalon, acredita que o Irã está desenvolvendo, em parceria com a Venezuela, uma ”infraestrutura terrorista” na América Latina, para ataque dos EUA, Israel e seus aliados.

Informações: Gospel Prime

Deixe uma resposta