Rede Globo fatura com cantores da música gospel!

1
Rede Globo fatura com cantores da música gospel!

Enquanto o bispo Edir Macedo faz muxoxo e prega que alguns cantores gospel são “endemoniados”, a Globo e o SBT investem nesse estilo, ah, digamos, “satânico” e obtêm bons retornos financeiros.
A Globo se beneficia pelo fato de que o gospel é um dos únicos estilos musicais que ainda tem boas vendas na indústria videofonográfica. Há uma campanha maciça de artistas e empresas no sentido de “pecamizar” a compra de produtos piratas.

Vídeos da grande editora e gravadora gospel BV Filmes, por exemplo, obrigam seus proprietários a ler mensagens como “Deus não gosta de pirataria” antes de qualquer filme ou show gravado.
 
Thank You, Lord!

Nas Organizações Globo, o resultado do selo Som Livre Gospel este ano será motivo de orgulho. CDs como os das séries religiosas “Promessas” e “Infinito Amor” estão no topo das paradas; o mesmo ocorre com DVDs como os do padre católico Fábio de Melo ou da evangélica Ludmila Ferber. Tudo que é gospel vende bem. Não será de admirar se a Globo ainda tiver um programa de música gospel em sua grade de programação –antes mesmo da Record.

Cutuca

A banda Diante do Trono, por exemplo, cuja vocalista Ana Paula Valadão (foto) foi publicamente “endemonizada” pelo bispo Macedo, sempre está no ranking de CDs mais vendidos da Som Livre. O grupo tem grande destaque também no site da gravadora. Nas últimas semanas, a Globo também passou a exibir propaganda de seu selo gospel de maneira ostensiva nas madrugadas. “Música para louvar”, diz o locutor nas propagandas do elenco religioso da Som Livre.
 
Pregação antigospel
Ouça aqui o áudio do discurso de Macedo contra Ana Paula Valadão

Até o SBT entrou na boquinha…

Até o SBT do judeu Silvio Santos, sempre tão laico, acabou se rendendo ao estilo evangélico. O responsável é Raul Gil, que injeta gospel nas tardes de sábado, com seu show de calouros. Raul é um veterano na área, e já descobriu estrelas do canto gospel, como Robinson “Anjo”. Revelado por Raul na Record, Robinson, vejam só, acabou virando artista da Line Records, que vem a ser gravadora de quem? Hein? Hein? Reeeesposta ceeeerta, leitora querida. De Edir Macedo!

No princípio era o gospel…

Curiosamente, o gospel foi relevante nos primeiros anos da Universal. Por anos, seus cultos tinham cantores e até bandasUniversal formadas por fiéis. A ruptura de Macedo com o gospel ocorreu em algum ponto entre meados dos anos 90 e 2000. Uma das teorias reza que Macedo nunca foi fã, mas passou a desprezar o gospel depois da saída do bispo cantor Renato Suhett. Esse homem chegou a ser considerado o nº 2 de Macedo, nos anos 90.

Então o bispo desafinou…
Mais tarde, Suhett sairia da igreja, descontente com os cargos que Macedo lhe oferecia em áreas administrativas, tirando-o, digamos, do púlpito. “Eu só queria cantar para Deus”, disse Suhett. E saiu. Anos depois, voltou, mas logo se irritou com uma “quarentena” de posições ou cargos imposta pela cúpula da igreja, e saiu novamente.

Gospel Line

O desgosto com o estilo, porém, não impediu a Igreja Universal de investir e lucrar milhões com sua gravadora. Mas sem propaganda. Notem que artistas da Line Records quase não têm chance na programação da Record.

Notícias Cristãs com informações do F5

Deixe uma resposta