Líderes de religiões afro-brasileiras organizam protesto contra intolerância de evangélicos

0
Líderes de religiões afro-brasileiras organizam protesto contra intolerância de evangélicos l

Os membros de religiões afro-brasileiras, cansados de serem atacados por evangélicos neopentecostais, principalmente fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus, irão aproveitar o feriado do dia 15 de novembro para protestar no bairro do Engenho Velho da Federação, em Salvador, Bahia.

A ideia é pedir respeito, para que não sejam mais tratados como “cão” e “demônios” explica a Yalorixá Valnizia de Ayra, do Terreiro do Cobre, que reclama até dos ataques dos programas de rádio. “Nas rádios, eles nos atacam todos os dias e todas as horas. Não sou cão, não sou demônio, como eles dizem. Os neopentecostais são mais radicais. A gente quer respeito. Não invadimos as atividades deles”.

Valnizia diz que os frequentadores do terreiro onde ela atende são abordados por fiéis da IURD que distribuem panfletos com alertas dizendo: “Não vá, é um lugar do demônio”. Ela diz também que não adianta reclamar desses ataques porque a prefeitura é tomada por evangélicos, até o prefeito da cidade, João Henrique, é evangélico.

“Não temos que conviver com isso. Uma vez, tivemos que dar uma queixa. Mas o problema desse tipo de denúncia é que é tudo evangélico na prefeitura. O prefeito (João Henrique) é evangélico. A Sucom (Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo) é de evangélico. A denúncia não vai adiante”, diz.

Veja Também:

O avanço da rivalidade religiosa no Brasil

Essa será a “VII Caminhada contra violência, a intolerância religiosa e pela paz” que vai reunir terreiros de candomblé, umbanda e culto aos caboclos, além de civis que se simpatizam com a causa.

Não é a primeira vez que membros de religiões de matriz africana se manifestam contra neopentecostais, na semana passada uma matéria da revista Isto É mostrava que no Rio de Janeiro, o maior estado em números de praticantes dessas religiões, uma secretaria precisou ser montada para investigar  e punir crimes de intolerância religiosa.

Com informações Terra Magazine / via Gospel Prime

Deixe uma resposta