Como superar uma crise conjugal?

0
Como superar uma crise conjugal?

O que pode desencadear uma crise no relacionamento de casal? Uma gravidez não planejada, a morte de um filho, o desemprego do marido (desequilíbrio financeiro), impotência sexual ou frigidez da mulher, o nascimento do primeiro filho, a necessidade de acolher os pais em casa, doenças, um acidente que colocou um dos cônjuges em uma cadeira de rodas, um filho que assume um comportamento homossexual, um filho que se envolve em drogas, uma filha que engravida do namorado e o mesmo não assume a criança, uma mudança de casa e de cidade contra a vontade de um dos cônjuges, um filho com problema mental, a necessidade de acolher um irmão, etc.

1.     Saiba que o casamento é o único “jogo” em que os dois podem “ganhar”. Em artigo para a revista seleções o psiquiatra Pittman disse: “Não há como ganhar contra seu cônjuge. Ou vocês dois ganham ou os dois perdem”.

2.     Não use o cônjuge como bode expiatório. Enfatize os sentimentos positivos de um para com o outro e não dê muita atenção aos sentimentos negativos. Focalize as qualidades do companheiro (a).

3.     Mantenha os canais de comunicação aberto. É nestes momentos de turbulência que o casal precisa conversar muito, dialogar e “discutir construtivamente”.

4.     Evite a todo custo que o “passado” seja o combustível que alimenta e torna a crise mais intensa e prolongada. Podemos até lembrar o passado para recapitular as lições aprendidas, mas é necessário tirar o foco do passado e colocá-lo no futuro. (Fl. 3:13)

5.     Mantenha-se aberto para receber ajuda e aprender com outras pessoas. Sempre haverá pessoas com mais experiência que poderão ajudar, pode ser um membro da família, um irmão, um amigo ou alguém da liderança da igreja que trabalha na área de aconselhamento.

6.     Lute contra a tempestade, motivado por aquilo que gera esperança.Os chineses talvez tenham sido os primeiros a reconhecer a natureza dupla da crise. Sua palavra para crise é escrita com dois caracteres, um que significaperigo e um que significa oportunidade. A crise é, de fato, mais do que apenas um problema – é um momento decisivo, uma catalisadora de forças para quebrar velhos padrões, evocar novas reações e determinar novas direções e novos inícios.  Reflita nas palavras deste verso: “Dois espiam pela grade; Um vê a lama e o outro, estrelas de verdade” (Rm. 5:3-5).

7.     Seja sensível para perceber a presença de Deus. Este é um recurso espiritual muito poderoso. Concordo quando alguém diz que, sua razão para esperança e sua fé em Deus, lhes dá um senso de propósito e força. A percepção da presença de Deus te faz mais paciente, perdoador, o leva a vencer mais depressa a raiva, a ser mais positivos e a apoiar mais um ao outro.

8.     Lute consciente de que as promessas de Deus não morrem. Morrem os profetas, mas Deus é fiel no que prometeu. Quem tem promessas, tem razões para ter esperança. (Hb. 13:5; 6:18,19; Sl. 46:1; Sl. 23)

9.     Faça uma leitura positiva da crise. Paulo nos ensina sobre isso em Rm 5:3-4 quando diz: a) nos gloriamos nas tribulações; b) a tribulação produz apaciência; c) paciência a experiência; d) experiência a esperança.

10. Faça da crise uma oportunidade para o Espírito Santo desenvolver em você o seu fruto (Gl. 5:22). A crise pode adubar o terreno do nosso coração para a produção do fruto do Espírito.

11. Administre o problema com inteligência emocional. Deixa a razão ir à frente da emoção. Nunca se esqueça que os mansos herdarão a terra. (Mt. 5:5)

12. Olhe para o casamento com suas dificuldades, como ferramenta de Deus para libertar você de você mesmo. Uma das maiores vitórias de Deus em nossas vidas é quando Deus nos liberta de nós mesmos. O maior problema do homem é o próprio homem.

13. É na crise que se mede a profundidade de caráter. Os problemas, as tensões, as crises, têm este papel, revelar quem verdadeiramente somos.

14. É na crise que mostramos ao diabo, que a gente serve a Deus pelo que Ele É e não por aquilo que Ele nos dá. (Ex. Jó) Ao perder tudo, Jó disse, receberemos o bem de Deus, e não receberíamos o mal? Em tudo isto não pecou Jó com os seus lábios. (Jó 2:10)

Pr. Josué Gonçalves: Terapeuta familiar, pastor sênior do Ministério Família Debaixo da Graça – Assembleias de Deus em Bragança Paulista – SP

Deixe uma resposta