Vereador de SP diz que vai lutar contra Parada Gay!

1
“Vou continuar lutando para tirar a Parada Gay da Paulista”

Com um ano e três meses de mandato pela frente, ele quer que a Câmara mude as regras para a concessão de licenças de pontos comerciais e aprove o pedágio urbano, entre outras propostas polêmicas. A comunidade gay não foi esquecida. “Enquanto Deus me der vida, vou continuar lutando contra os excessos”, afirma, referindo- se às manifestações do orgulho homoafetivo. Tanto que uma de suas principais bandeiras continua sendo a proibição da Parada Gay na avenida Paulista.

Fiel da Assembleia de Deus e membro da bancada evangélica na Câmara, Apolinário cita a Marcha para Jesus, organizada pela Igreja Renascer em Cristo, como uma das manifestações que já foram banidas da Paulista. “Por que só os gays podem ocupar a avenida?”. Em casa, Apolinário recolhe a guarda. Mais afável, janta com a mulher, os dois filhos e os três netos toda sexta, o seu “dia da família”. Deverá passar mais tempo com eles já em 2013, quando quer encerrar a carreira política. A menos que receba um convite do democratas para concorrer à prefeitura em 2012. Até lá, não deixará de surpreender com polêmicas, como revela na entrevista a seguir.

Por que o Dia do Orgulho Heterossexual foi vetado pelo prefeito?
Houve uma pressão muito grande do movimento gay. Na cabeça deles, o Dia do Orgulho Hétero os prejudicaria. Soube até que o pessoal do governo federal que havia montado os kits anti-homofobia (para ser distribuídos pelo Ministério da Educação em maio) ligou para o Kassab. Ele recebeu pressão de tudo que é lado para vetar o projeto.

O senhor também não ligou para pressionar o prefeito?
Não quis forçar a barra. Preferi que ele decidisse com base na consciência dele. Nós até conversamos alguns dias depois da aprovação na câmara. No começo, ele disse publicamente que o projeto não era homofóbico. Mudou de opinião depois das pressões e acabou escrevendo um verdadeiro tratado a favor dos gays.

Seu projeto foi motivado por suas crenças religiosas?
Não. O que eu discuto são os excessos e privilégios. Se o camarada é gay, isso é problema dele. Minha religião estabelece o princípio do livre arbítrio. defendo o direito de ter opinião. Mas os gays não querem que você tenha opinião. Você pode criticar casamentos de héteros, mas, se for falar de casamento de gays, é chamado de homofóbico.

O que o senhor considera excesso?
Vamos supôr que,no prédio onde moro, vivesse um gay. Se fôssemos à piscina, nem eu, que sou casado com a mesma mulher há 38 anos, nem o gay, que tem 20 anos, devemos ficar dando beijo de língua. Chegar com a mão no ombro, dar uma bitoquinha, tudo bem, faz parte. O problema do gay é que ele força a barra e vai além do aceitável.

O que o senhor pensa da adoção de crianças por gays?
Sou contra, mas não pelo aspecto religioso. o que acontecerá com uma criança que vê todo mundo tendo um pai e uma mãe e vai morar com dois caras que têm relacionamento sexual? Como vai estar a cabeça dela na adolescência? Agora, se você me perguntar se eu prefiro esse menino sendo criado por dois gays ou vivendo na rua, eu digo que prefiro que ele seja criado por dois gays.

O senhor já disse ter amigos gays. Quem são?
Basicamente, os seis gays que trabalham no salão de cabeleireiro que eu frequento. Eles me beijam, todos se dão bem comigo.

Eles não se incomodam com suas opiniões?
Por respeito a eles, nunca perguntei. Nem eles tocaram no assunto. Até gostaria que eles tivessem dialogado para eu poder explicar.

O senhor acredita que a homofobia é uma ilusão, uma falácia?
A homofobia, da forma como é colocada, não existe. Você não pode pegar dois ou três casos de agressão registrados na avenida Paulista e dizer que isso acontece no Brasil inteiro. Se fosse assim, estaria na hora de a presidente, governadores e prefeitos tomarem uma atitude.Tteriam de pegar esses caça-gays. agora, se todo cara que for xingado de “viado” na rua partir para cima, vai dar confusão todo dia. O problema é que os gays não deixam barato. Eles vão para cima. O fato é que há casos de agressão em São Paulo, especialmente concentrados na região da Paulista.

Isso acontece por haver uma concentração maior de gays naquela área?
Há gays em todo lugar. Uma espécie de gueto se reúne no shopping tatuapé. temum espaço conhecido como autorama, no Parque do ibirapuera, onde os gays ficam se abraçando e beijando. Em nenhum desses lugares me lembro de ver registros de agressões. Por isso não acredito que exista uma organização querendo caçar os gays de são Paulo. Os rapazes agredidos com a lâmpada há quase um ano, por exemplo, não parecem gays e não estavam se expondo. Nem sei se o camarada, quando agrediu, sabia que eles eram gays ou se fez aquilo por ser endemoniado.

Se um neto seu se assumir gay, como reagirá?
Amar não significa concordar. Se eu tivesse algumapessoa de minha família que se declarassehomossexual, continuaria amando. Mas não significa que, amando, eu concorde com tudo. Há quem compare o senhor ao deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), que não poupa críticas aos gays.

O senhor se identifica com ele?
Não, de forma alguma. eu não estou aqui para julgá-lo, mas você não encontra nenhuma palavra minha contra a figura humana do gay. Não tem nenhuma fala minha em que trato o gay como promíscuo ou como uma pessoa má. A Salete Campari [drag queen] foi candidata a vereador (sic) em minha chapa do PDT quando me candidatei ao governo do estado. Foi ao meu escritório, conversou comigo. Só que foi de Sales, sem peruca. Coloquei na televisão todos os dias.

O senhor teme ficar conhecido como o vereador do orgulho hétero?
Quem fala isso não conhece minha história. Sempre agi direito como deputado federal, estadual e vereador. Mas é claro que você é lembrado pelo que faz por último. O que está na onda, agora, é o Dia do Hétero. Só que tenho 30 anos na política, agindo com dignidade. Só de ter aberto mão de minha aposentadoria como deputado já deixei de receber mais de R$3 milhões.

Pretende sair candidato no ano que vem?
Não. Acho que já dei minha contribuição. Para não ser falso, se amanhã o partido me convidar a ser candidato a prefeito, posso até pensar. Mas estou vivendo um momento de decepção.

Sua decepção tem a ver com a polêmica causada pelo projeto do Dia do Orgulho Hétero?
Ao contrário. Por alguns dias, foi o assunto mais comentado na internet. Consegui passar a mensagem e meu nome ficou mais conhecido. Isso me deu, como diz a molecada, um “up” na carreira.

O que provocou sua decepção, afinal? O senhor considera a Câmara pouco eficiente?
O poder público é muito lento numa sociedade que requer pressa. Não há interesse do Executivo e do Legislativo em votar alguns projetos importantes. Deveria haver mais vontade política em fazer uma agenda positiva. O Legislativo nunca quer votar projeto polêmico.

O que o senhor pretende fazer nesse período de um ano e três mesesque resta para seu mandato terminar?
Vou brigar por várias coisas. A proposta de desvincular a licença de funcionamento de um estabelecimento comercial da licença do prédio, por exemplo. E tem a questão do pedágio urbano… esse é um exemplo de projeto que tira votos e dificilmente será aprovado, mas quero levá-lo a debate. Se São Paulo quiser andar, daqui a 15 ou 30 anos, precisará ter pedágio urbano.

E o projeto que propõe tirar a Parada Gay da Avenida Paulista?
Eu o apresentei no ano passado, mas confesso não ter muita esperança de vê-lo aprovado, embora tenha recebido parecer favorável da Comissão de Constituição e Justiça. O lobby dos gays é muito forte.

Mas essa continua sendo uma de suas batalhas?
Não é uma batalha. Mas, enquanto for vereador, vou continuar lutando para a parada sair da Paulista. É um privilégio inaceitável. Se o prefeito e o Ministério Público dizem que eventos na Paulista atrapalham os hospitais, por que só os gays podem continuar se reunindo ali?

Ou seja, a luta contra os gays continua?
Não é uma luta contra os gays. É contra os excessos e privilégios deles. Eu continuo amando e respeitando a figura humana dos gays. Mas, enquanto Deus me der vida, mesmo sem mandato, vou continuar lutando contra esses excessos e privilégios.

Iformações Época São Paulo Entrevista – Eduardo Duarte Zanelato.

Deixe uma resposta