Religião pode ajudar reintegração social, dizem padre e pastor

0

Religião pode ajudar reintegração social, dizem padre e pastor

Para o pastor Marcos Ricci, que trabalha há 18 anos com presidiários, a religião é um dos fatores fundamentais para a recuperação do detento.

A reinserção social é possível para o jovem de 19 anos, conhecido por “Maníaco da Cruz”. Ele ganhou esse apelido em 2008, depois de ter cometido três assassinatos em série na cidade de Rio Brilhante, interior de Mato Grosso do Sul. Prestes a ser colocado em liberdade, após três anos recolhido na Unidade Educacional de Internação (Unei) de Ponta Porã, ele ainda causa medo na população do município, que teme pela sua volta à localidade. A provável data de sua soltura é 8 de outubro.

Se de um lado, familiares das vítimas são contra o retorno do Maníaco da Cruz à Rio Brilhante, e profissionais como psiquiatra, advogado e a delegada que cuidou do caso defendem que antes da liberação ele seja submetido a uma avaliação psiquiátrica, do outro lado, alguns religiosos entrevistados pelo Correio do Estado acreditam que o jovem pode sim voltar ao convívio em sociedade, embora concordem que ele deva ser monitorado constantemente.

O pastor Marcos Ricci trabalha há 18 anos com presidiários e depois os acompanha quando são libertados. “Muitos presos são reabilitados, arrependem-se dos crimes que cometeram e passam a ter uma vida de trabalho, de amor, com uma família. E isso inclui presos que cumpriram penas por crimes hediondos, como os homicidas”, ressaltou o religioso.

A religião, continua o pastor, é um dos fatores fundamentais para a recuperação do detento. “Ela preenche o vazio, ensina o perdão, mostra que é possível ter uma segunda chance”, frisa.

O acompanhamento do preso solto, como poderá ser o caso do “Maníaco da Cruz”, deve ser constante, aponta o pastor. Ele acrescenta que seria uma irresponsabilidade do Estado, enquanto instituição, colocá-lo em liberdade sem prover-lhe assistência. “Muitos têm perturbação psicológica, problema espiritual e precisam de suporte religioso, até porque a Constituição do Brasil prevê isso. E essa assistência deve começar quando a pessoa ainda estiver presa”, pontua.

O pároco Nelson Bernardes Martins, da Igreja Católica Divino Espírito Santo, em Rio Brilhante, também acredita na reinserção do jovem. “Se não acreditasse nisso, não teria sentido ser cristão”, pontou.

Todas as transformações são possíveis para o ser humano, ressalta o pároco, no entanto, seria uma negligência deixá-lo em liberdade sem acompanhamento algum. “A religião deve atuar também como suporte porque só nela é possível mudança de postura”, diz o padre que está há dois anos na cidade onde ocorreram os crimes bárbaros.

Para cópia deste conteúdo, é obrigatória a publicação do link www.amigodecristo.com
Fonte: Correio do Estado

Deixe uma resposta