Caroline Celico, mulher de Kaká diz em entrevista, Eu me achava superior!

2
Caroline Celico, mulher de Kaká diz em entrevista, Eu me achava superior!

Mulher do craque do futebol Kaká, Caroline Celico, conta como ele enfrentou a má fase profissional, assume que era fanática quando pertencia à Igreja Renascer em Cristo e diz por que deixou de frequentá-la.

Caroline Celico, 24 anos, está atrasada. Quando chega ao terraço do hotel onde a conversa foi marcada, entra com pressa e pede desculpas. “Levei um chá de cadeira do pediatra”, explica ela, impecável na maquiagem, na roupa, nas joias e na dicção. Mãe de Luca, 3 anos, e Isabella, 6 meses, ela aproveitou a passagem pelo Brasil para levar os dois ao médico. Mulher de Kaká, craque do Real Madrid e eleito, em 2007, o melhor jogador de futebol do mundo pela Fifa, ela está no País para lançar a segunda edição de seu CD e DVD evangélicos. Dois anos depois de deixar a Igreja Renascer em Cristo, do apóstolo Estevam Hernandes e da bispa Sônia, ela colhe os frutos de sua liberdade espiritual. “Amadureci em coisas que eram tabu para mim”, admite. “Eu me achava superior. E essa é das piores características que já tive na vida.”

O processo de amadurecimento de Caroline não foi fácil. Aos 15 anos, começou a namorar uma das grandes estrelas do futebol brasileiro. Um ano depois entrou, segundo ela, por vontade própria para a Igreja Renascer em Cristo, da qual Kaká sempre fez parte. Batizou-se, matriculou-se em grupos de estudo da “Bíblia” e passou a frequentar os cultos de maneira quase compulsiva. A mãe da jovem, Rosângela Lyra, 46 anos, católica, empresária da moda e representante da Dior no Brasil, percebeu o exagero e tentou conter a filha. “Ela quis me proteger da Renascer. Tentou me afastar da igreja, mas sempre que ela tentava, eu entrava mais e mais”, lembra Caroline. As brigas ultrapassaram os limites das disputas entre adolescentes e seus pais e as duas quase romperam. “Cheguei a jogar fora as coisas dela de santo, a quebrar uma pulseirinha, diz. “Me envolvi completamente, fui fanática.”

Em 2005, aos 18 anos, Caroline se casou na sede da Renascer, então na avenida Lins de Vasconcelos, no bairro do Cambuci, área central da cidade de São Paulo. O prédio viria a ruir quatro anos depois por problemas de conservação e manutenção da estrutura, matando nove pessoas e ferindo outras 117. Vivia o ápice da fé. Quando se mudou para a Itália, onde o marido já morava desde a transferência para o time do Milan, em 2003, desembarcou convencida de que expandiria a Renascer na Europa. Foi nesse período que ela se tornou pastora e passou a pregar para o rebanho da Renascer via internet. Em 2009, durante um desses sermões, sugeriu que Deus havia dado dinheiro para o Real Madrid, em plena crise financeira, para contratar seu marido. “Me arrependo profundamente dessa declaração. Escutei de uma pessoa e repeti”, diz. Quando questionada sobre o autor da frase, ela sorri, toma um gole de água e desconversa. “Não penso mais como aquela Carol, mais imatura, influenciável. Quero seguir o meu caminho com as minhas próprias pernas. Esse foi o motivo pelo qual saí da Renascer.

Foi também em 2009 que ela deixou a igreja. Sem dar detalhes, conta que viu coisas na Renascer que nunca tinha visto, das quais já tinham falado para ela, mas que nunca havia acreditado. Em seu mea culpa, não poupa a si mesma. Reconhece que tentava agradar aos homens e não a Deus, defeito grave entre os evangélicos, e admite a própria hipocrisia. “Ia para a igreja, era super heroína da fé, super pastora, mas chegava em casa e tratava mal a pessoa que trabalhava para mim”, diz. Como uma esponja, justifica-se ela, absorvia o comportamento dos que a rodeavam no ambiente que mais frequentava, a igreja. Segundo ela, era gente “que não podia dar o que não recebeu”, como carinho, educação e respeito. É direta sobre os problemas da Renascer: “Virou um negócio que precisava ser administrado”, afirma. “Não queria isso para mim.”

Hoje sem pertencer a nenhuma igreja, ela prefere orar em casa, sem intermediários e só com a família. Que, segundo Caroline, estreitou os laços depois do tempo em que Kaká passou em casa se recuperando das lesões que sofreu por insistir em jogar, mesmo machucado, a Copa de 2010. “Vimos que futebol não é tudo”, resume ela. Nos momentos de desânimo do marido, Caroline conta que enumerava as conquistas do jogador para animá-lo. Mas a travessia foi difícil. “Alguns amigos se afastaram por ele não estar jogando tanto”, revela. “Isso acontece em qualquer profissão, ainda mais quando a pessoa tem uma visibilidade gigantesca como é o caso do Kaká”, acrescenta Caroline, para quem talvez essa tenha sido a pior parte da fase em que ele não jogou.

Convocado pelo técnico Mano Menezes na semana passada para os amistosos da Seleção Brasileira contra o Gabão e o Egito, Kaká voltará à evidência e os tais colegas certamente ressurgirão. Caroline os receberá de braços abertos. “A gente também precisa de colegas, não só de amigos”, diz, com a tolerância e a resignação que marcam esta nova fase de sua vida. Enquanto o marido retoma o futebol, aos poucos, Caroline já se dedica a um novo projeto chamado Amor Horizontal. Trata-se de um site que canalizará doações na forma de produtos de higiene, alimentação e saúde, entre outros. “Quero ajudar pequenas instituições que cuidam de crianças carentes, seja qual for a fé que elas praticam”, diz, mostrando que a antiga Caroline ficou no passado.

Informações  Revista IstoÉ

Deixe uma resposta