Trocar de igreja é comum em favela do Rio

0

Trocar de igreja é comum em favela do Rio

Os quase 4 mil habitantes da favela Santa Marta, na zona sul do Rio, têm a sua disposição sete igrejas evangélicas e uma católica dentro dos limites do morro. Nas redondezas, num raio de 500 metros, há outras cinco.
Com tantas opções, é comum encontrar quem frequente mais de uma, tenha trocado várias vezes, ou mesmo famílias em que praticamente cada integrante vai a uma igreja diferente.
“As pessoas hoje se sentem menos presas. Frequentarem mais de uma igreja, sem nenhum problema. Às vezes, escolhem uma de acordo com os serviços que são oferecidos”, diz o pastor Valdeci Pereira, 42, da igreja Batista no Santa Marta.
Segundo ele, apesar de tantas igrejas em busca de fiéis no mesmo local, as relações são amistosas.
Religião também não é problema na casa de Raimunda dos Santos, 33. Seu marido é sem religião, os três filhos frequentam a Igreja Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e ela se declara fiel da Universal do Reino de Deus. Mas, provavelmente, não por muito tempo.
Ela passou a ir aos cultos na igreja dos filhos, e cogita mudar: “Me senti bem acolhida, mesmo eles sabendo que sou de outra igreja. Talvez passe a ir mais lá do que na Universal.”
A antropóloga Diana Lima explica que é comum este “trânsito religioso”.
“As pessoas podem mudar porque depositam suas esperanças numa nova denominação. Às vezes, trocam porque mudaram de bairro e não encontram a mesma igreja na nova vizinhança. Ou então casam, namoram ou fazem novas amizades com pessoas de outras igrejas”, diz a especialista.

Para cópia deste conteúdo, é obrigatória a publicação do link www.amigodecristo.com
Via Folha

Deixe uma resposta