Muçulmanos se convertem ao cristianismo na Espanha!

1

Muçulmanos se convertem ao cristianismo na Espanha!

Dezenas de batismos mensais fazem crescer o atual número de 1,2 milhão de evangélicos no país
O marroquino S. Benaessa se preocupa com seus pais. “Eles irão para o inferno”, diz. Não porque repudiaram o filho, porque deixaram para trás sua cidade natal, Agadir, e, com ela, Maomé. Mas sim porque “só aceitando Jesus como salvador é possível morrer sabendo que o céu lhe aguarda”, explica. Benaessa, que há 14 anos não vê sua família, é um dos cerca de cem muçulmanos convertidos ao cristianismo evangélico na Espanha – um caminho duro que, nos últimos três anos, vem ganhando mais fiéis.

Veja também:
Imigrantes Marroquinos renunciam ao Islã e são batizados na Espanha

Infelizmente, na direção contrária, a porta é larga, como já previa as Escrituras. Os novos devotos de Alá nascidos em berço nominalmente “cristão” podem chegar a 40 mil, cinco séculos após a expulsão dos muçulmanos da Espanha pelos Reis Católicos – Fernando e Isabel.

Cursando o penúltimo ano do seminário evangélico, o futuro pastor se recusa a ser fotografado com o rosto à mostra.

“É difícil e arriscado mostrar-se publicamente como ex-muçulmano”, explica Benaessa, de 34 anos. Ele conta que “para os muçulmanos, sou um infiel. E no Alcorão está claro: aos traidores a pena é a morte. Meus pais disseram que só posso voltar a vê-los se me reconverter”.

Perseguição e preconceito

A presença de ex-muçulmanos costuma ser muito discreta entre as dezenas de batismos mensais que fazem crescer o atual número de 1,2 milhão de evangélicos na Espanha, segundo a Federação de Entidades Religiosas Evangélicas. Muitos destes batismos, inclusive, não se realizam dentro das igrejas. Benaessa, por exemplo, foi batizado com outras 20 pessoas na casa de um amigo. Dos 20, só Benaessa e um colega tinham seguido o Islã.

“Meu pais, embora não tenham me rejeitado, preferiam qualquer coisa menos isso. Minha mãe e minha irmã vieram ao meu casamento, e quando vêm me visitar, às vezes me acompanham à igreja. Já meu pai resiste mais, não tanto por ele, mas pelo que os outros possam dizer. Durante o ramadã, temos longos debates teológicos – conta o músico e técnico de qualidade de telemarketing Samir, de 28 anos, que frequenta a mesma igreja de Benaessa e também não pode ser fotografado, ou a dar o sobrenome.

Quando morava com sua família em Casablanca, Samir culpava o governo marroquino por um enorme vazio interior que tampouco o Islã era capaz de preencher. Ao chegar à Espanha, rompeu com Alá e, após uma fase ateia, caiu nos braços de Jesus.

“O bom de ser cristão é que tudo pode ser questionado. Não há perguntas proibidas, como no Islã, onde questionar é atentar contra Alá”, explica feliz.

Para cópia deste conteúdo, é obrigatória a publicação do link www.amigodecristo.com
Fonte CPADNews ►Cada vez mais muçulmanos se convertem a Jesus na Espanha

Deixe uma resposta