Pr Samuel Câmara quer unir irmãos da grande igreja

0

Pr Samuel Câmara quer  unir irmãos da grande igreja 
O Desafio de Samuel Câmara: unir irmãos da grande igreja

À frente de um momento histórico para a igreja que comanda, o pastor Samuel Câmara, 54 anos, avalia que, passada a festividade do Centenário da Assembleia de Deus, é hora de arregaçar as mangas para novos desafios, entre eles, o de unir as diversas tendências que hoje dividem a igreja. Desafio que ele entende ser plenamente capaz de vencer.(Silas Malafaia quer boicotar comemorações do Centenário das Assembleia de Deus ) Afinal, desde que assumiu a presidência da Assembleia de Deus, em janeiro de 1997, viu a igreja pular a mais de 370 templos.

Graduado em Teologia pelo Instituto Bíblico das Assembleias de Deus em Pindamonhangaba (SP), licenciado em Filosofia e Pedagogia, bacharel em Direito e autor dos livros “Administração Eclesiástica” (esgotado) e “Bíblia e Jornal”, Câmara defende ideias firmes em assuntos polêmicos, como a adoção de crianças por casais homossexuais e a participação política dos membros da igreja. Durante fiscalização das obras do Centro de Convenções do Centenário, cedeu a seguinte entrevista ao DIÁRIO.
P: Como estão os preparativos finais para o Centenário da Assembleia de Deus?
R: A todo vapor. Estamos nos preparando para festejar o centenário marcando a nossa cidade. Estamos entusiasmados com o número de pessoas, com as caravanas que se preparam para vir. É muito grande a repercussão no Brasil e no mundo. Posso dizer que somos abençoados. Os hotéis já estão começando a ficar reservados. Já há reserva de 20 mil vagas em acampamentos e em casas. Teremos no mínimo uma caravana de cada Estado. Só do Acre virão cinco ônibus.
P: A previsão é de quantas pessoas?
R: Nos três dias esperamos umas 450 mil pessoas. Veja bem, sem repercussão de centenário já lotamos o Mangueirão… nós temos 110 mil fiéis só em Belém. No Estado todo são 750 mil.
P: Recentemente houve celeuma entre setores mais conservadores da Assembleia de Deus, que chamam vocês de idólatras…
R: Houve uma divisão. Nós representamos um segmento de vanguarda, de capital. Há quem veja isso como se fôssemos vaidosos ou como se houvesse falta de religiosidade. Mas temos que entender que somos grandes, temos várias divisões. A Assembleia de Deus é quem mais gerou outras igrejas a partir dela mesma. Somos uma raiz frondosa. Agora, como existe em qualquer segmento, existem os mais moderados e os mais avançados. Somos conservadores no trato da espiritualidade. Se eu fosse avaliar o comportamento deles, poderia dizer que eles seriam fariseus, ou seja, cultuam mais a forma que o conteúdo. Para quem é grande, há sempre dificuldade com a redondeza, com a periferia. Isso se acentua mais no Pará, porque tem municípios distantes, onde o povo se veste de forma diferente. Só que não podemos nos engessar numa forma. A Assembleia de Deus é a igreja mais diversificada que existe. Tem espaço para todos os grupos e tendências. Se uma pessoa se veste de uma forma mais ou menos diferente, não importa. O que importa é a decência.
P: O senhor escreveu um artigo dizendo que não iriam roubar de Belém o Centenário…
R: Nós somos a igreja-mãe. E vamos celebrar isso. Nós já fomos espoliados no Sul e Sudeste do Brasil. Estávamos excluídos das celebrações porque diziam que Belém não tinha estrutura para isso. Mas estamos honrando o nosso centenário. O Centro de Convenções foi construído em um ano. Construímos o Museu Nacional, único nesse gênero. Vamos receber gente do Brasil e do mundo e mostrar que Deus não errou quando escolheu Belém para iniciar essa obra.
P: Finda a comemoração do Centenário, quais são as metas e desafios que se impõem?
R: Internamente é a de provocar o entendimento maior entre os diversos segmentos e tendências da igreja. A Assembleia de Deus é um movimento com vários matizes. Precisamos fazer com que esses segmentos se entendam. Externamente é manter a dedicação missionária a todos os brasileiros, buscar a felicidade deles e da opção de viver abençoados à ideia de Deus, uma felicidade física e espiritual. Vamos manter uma posição agressiva de trabalho missionário. A Assembleia de Deus não é uma igreja metropolitana. Ela não está só onde está o resultado econômico. É importante dizer isso, porque ela é maior do que os indivíduos. Eu sirvo agora, mas outros serviram antes de mim e outros servirão depois. Não temos centralização de qualquer forma, seja política ou econômica. A autonomia da igreja está acima de qualquer órgão.
P: O perfil da igreja vem mudando…
R: Sim. Entre as metas também está a de que vamos utilizar a ciência e a tecnologia. Temos o dever de usar esses meios. Durante muito tempo fomos avessos e contrários a isso. Já pregamos que o rádio era do Diabo, que a TV era uma caixa do Diabo, mas já nasceu um movimento representado por uma geração mais nova de que não é a ferramenta o mal e sim o conteúdo. Nós não queremos dominar o Brasil, mas queremos dar alternativas de fé cristã, seja na internet, no rádio, na TV. Se descobrirem uma civilização em Marte, vamos comprar um Sputinik para levar Deus até lá. Quanto à ciência, os evangélicos sempre foram os mais avançados em relação a isso. Os países onde a fé protestante se disseminou são os mais avançados na pesquisa científica. Acreditamos que a ciência está a caminho de uma perfeição e com isso chegará a Deus. Antes riam quando falávamos que Deus criou Eva a partir da costela de Adão. Hoje se chama a isso de clonagem.


P: Diante disso, dessa mudança de perfil, como fica a participação política?
R: Hoje temos, só no Norte do Brasil, 52% de evangélicos, de todas as tendências. É uma comunidade tão grande, que responde, no mínimo por 10% da população brasileira, que não pode ficar alheia e omissa nas instâncias de poder. Achamos que é justo e legal que participemos na proporção daquilo que somos, para contribuir com ideias, com trabalho. Nós adicionamos na nossa vida um exercício de fé sistemático e comprometido. Não se discute mais se vamos ou não participar e sim de que forma.
P: Podemos pensar, por exemplo, num futuro prefeito de Belém ligado à Assembleia de Deus?
R: Nós temos uma relativa dificuldade para aglutinar. Somos descentralizados. Nós somos como um transatlântico, não fazemos curvas bruscas, fazemos curvas
devagar, mas nós influenciamos muito e somos namorados por todos os pretendentes a cargos públicos, mas é claro que queríamos ver nossos filhos nessa situação.
P: Quais são os pilares políticos da igreja?
R: Democracia, família constituída do gênero homem e mulher, liberdade de expressão, da imprensa, inclusive, e desenvolvimento social voltados aos menos favorecidos, aos que não têm o que comer.
P: Como a igreja avalia a união estável entre homossexuais?
R: Estamos preocupados com a guinada do Superior Tribunal Federal, porque cultura, natureza e princípios não se mudam com uma canetada. A natureza diz que não se deve discriminar ninguém, mas não podemos ficar omissos a uma aparente onda de admissão de uma aparente desvantagem de um grupo. O natural é que um homem se enamore de uma mulher e possa perpetuar-se nos filhos. Se a família for desestruturada, a família e a igreja desaparecem. Preocupamos-nos nesse momento pelas crianças. Como elas serão originadas? No momento em que se permite que se adote uma criança a partir de uma relação homoafetiva, elas terão essa visão: por que não fui gerado nem fui abraçado por uma mulher e um homem? Isso nos preocupa.

Fonte: Diário do Pará
Para cópia deste conteúdo, é obrigatória a publicação integral do texto e a divulgação do link www.amigodecristo.com

Deixe uma resposta