Colunista da revista Época critica sucesso das igrejas evangélicas

3

Colunista da revista Época critica sucesso das igrejas evangélicas 
Pergunta: Porque as novas igrejas evangélicas fazem tanto sucesso?

Há um vídeo circulando na internet que tem provocado ataques de riso. É bem engraçado mesmo. Mas não é apenas isso. Ele nos dá a possibilidade de pensar algo importante: por que as novas – novíssimas – igrejas evangélicas arrebanham tantos fiéis e fazem seus criadores, sempre um bispo fulano ou apóstolo sicrano, enriquecer com uma rapidez de deixar qualquer capitalista orgulhoso. E em seguida expandir sua igreja para outros países/mercados – ou muito pobres ou povoados por imigrantes de países pobres. Ao mesmo tempo em que passam, como qualquer empreendedor competente, a diversificar seus negócios para outras áreas de atuação. O fenômeno é bem conhecido, mas este vídeo de três minutos pode nos ajudar a alargar a questão para outros pontos de vista.

O vídeo no YouTube se chama “O milagre da privada”. E, ao terminar de assisti-lo, podemos pensar, com algum senso de humor, que o conceito de onipresença divina acabou de ser ampliado. Nele, uma senhora muito carismática conta ao pastor que Deus fez um milagre com ela. Pelo que entendi, ela usou um travesseiro vendido na igreja através do qual o poder divino se manifesta. No caso dela, colocou o travesseiro na barriga, sobre a região do intestino, e pela primeira vez na vida, segundo seu relato, conseguiu o que lhe parecia impossível.
E aí os leitores mais pudicos que me perdoem – assim como a Época, que com toda razão exige um texto elegante –, mas neste caso é essencial respeitar a linguagem usada, porque ela contém informação. A senhora conta que finalmente, depois de décadas de sofrimento, de passar “de 15 a 20 dias” sentando-se na privada inutilmente, graças à interferência divina obtida através do travesseiro e da igreja, conseguiu dar “uma bela de uma cagada”.
Apesar de termos pudores com esta parte do cotidiano do corpo, a única que nem toda a riqueza do mundo consegue fazer cheirar bem, a compreensão do relato é imediata. E a mulher dá seu testemunho com uma alegria e uma sinceridade que me parece que rimos com ela, por identificação humana – e não dela. O que faz uma grande diferença.
A senhora parece realmente feliz por Deus ter lhe soltado os intestinos depois de uma vida inteira de prisão. Para ela era um grande drama – e todos nós sabemos que pode mesmo ser. “Meu Deus, por que todo mundo caga menos eu?”, relata ela. “Misericórdia, meu Deus!” Era este, afinal, o milagre que esperava de sua fé.
Ela deve ter muitas outras mazelas na vida, mas a maior de todas era esta. E supostamente seus problemas na área acabaram. Porque este ato tão simples para a maioria da humanidade lhe era negado, ela usa a palavra “cagar” várias vezes. Goza com a palavra que nomeia a função a qual finalmente tem acesso. E é por isso que eu a repito aqui. Porque usar “defecar” seria uma traição à sua narrativa.
O vídeo parece genuíno, mas não tenho como comprovar sua veracidade. Se ela é uma atriz, merece um Oscar. Se for uma peça de humor, é ótima. De qualquer modo, “milagres” comezinhos acontecem aos milhares todo dia nessas novas igrejas evangélicas, determinantes para a transformação do Brasil num país cada vez mais multirreligioso. Basta ligar a TV ou acessar os respectivos sites para testemunhar que, se existe um Deus, ele anda ocupadíssimo resolvendo questões as mais prosaicas. Escolho este “milagre”, e não outro qualquer, apenas porque ao alcançar o território da privada ele explicita ainda mais o fenômeno na esfera pública.
A imprensa tem denunciado a exploração dos fiéis e o enriquecimento ilícito de algumas dessas igrejas – e, principalmente, a locupletação de seus fundadores. Como na ótima reportagem “Milagres e Milhões”, de Ricardo Mendonça e Mariana Sanches, publicada na Época em 2010. Os exemplos são muitos e contundentes. Mas há algo, de outra ordem, que é importante compreender nesse fenômeno. E que a senhora de “O milagre da privada” nos conta muito bem.
O problema que encontro na crítica generalizada que se faz a essas novas igrejas evangélicas, da mesa de bar às discussões mais formais, é o menosprezo da capacidade de discernimento do povo. Supostamente os fiéis que lotam os templos seriam apenas vítimas de estelionatários da fé. Dando um dinheiro que lhes falta para quase tudo em troca de fumaça. Me parece que esta é uma verdade em alguns casos – mas apenas parte dela. É preciso complicar mais a questão.
Primeiro porque a fé, por definição, não pertence à esfera das comprovações científicas. Se fosse este o critério, haveria de se proibir todas as igrejas, inclusive a Católica. Fé é crença, não ciência. Você acredita se quiser ou puder. Alguns têm fé, outros não. A Constituição brasileira acolhe a todos ao admitir a liberdade religiosa. Mesmo que – ainda bem – o Estado seja laico. Isso significa que, se a senhora do vídeo quiser acreditar que o travesseiro ungido libertou seu intestino, é um direito dela. Da mesma forma que outros acreditam que João Paulo II é santo. E outros não acreditam em nada.
O problema maior, em meu ponto de vista, é achar que o povo que escolhe essas novas igrejas e acredita em milagres como esse é apenas uma vítima passiva. Este raciocínio reduz as pessoas e a compreensão do fenômeno. Ninguém dá nada – muito menos o seu dinheiro – se não recebe algo em troca. Quando esta troca se desequilibra e as pessoas se sentem enganadas, como em qualquer negócio, elas ou mudam de igreja ou vão à Justiça – se conseguirem acesso.
O povo brasileiro é bastante pragmático. E me parece que as pessoas entendem claramente que é um negócio, ainda que seja um negócio embrulhado em fé – e por isso a maior parte dos casos na Justiça é dessas igrejas e não das tradicionais. Não me parece que a busca maior nesse caso seja pela transcendência: o que se quer é uma solução prática e imediata, como é o espírito do nosso tempo apressado. Se dessacraliza o sagrado para sacralizar literalmente a mercadoria.
Pensar que os fiéis não sabem o que fazem pode ser arrogância – e até preconceito. Assim como ficar repetindo que o povo não sabe votar quando o resultado do processo democrático é diferente do esperado por determinada pessoa ou grupo político.
E o que essas igrejas oferecem que faz valer a pena dar um dinheiro que fará falta? Algo que possivelmente as pessoas que as procuram não encontram em nenhum outro lugar: acolhimento e escuta. É por isso que pag
am. Há uma enorme carência de escuta em nosso tempo. Nunca se falou tanto – e talvez nunca tenha se escutado tão pouco. É este o vácuo que tem sido ocupado pela religião de mercado.
Que outro lugar, neste país, hoje, está de portas abertas e com alguém a postos para escutar o que o outro tem a dizer, ainda que possa ser apenas para avaliar o quanto de dinheiro poderá arrancar de quem desabafa? Se você está doente ou seu marido é alcoólatra, você vai encontrar alguém que o escute no SUS? Se seu filho está mal nos estudos ou agressivo em sala de aula e em casa, ou envolvido com traficantes, você vai encontrar alguém que o acolha na escola ou em outra instituição? Se você está sem emprego ou sua casa foi levada pela enchente porque a prefeitura e o estado deixaram de fazer as obras necessárias, onde você vai encontrar um teto e um banco para sentar e um ombro para chorar, ainda que tenha de dar o último trocado que restou no seu bolso? Em que outro lugar você se sentirá parte, ainda que no meio de uma multidão, mas uma com a qual você se identifica e o reconhece como um igual?
Por mais fraudulento que possa parecer – e em muitos casos é –, há algo que funciona nesses espaços. Há uma mercadoria que é entregue – ou os templos estariam vazios. E é entregue em geral não por um pastor ou bispo ou apóstolo ou irmão fulano qualquer, mas um fulano com um nome, sobrenome e rosto parecido com o do fiel. Este acolhimento e esta escuta fazem diferença na vida dessas pessoas ou elas não estariam lá. Deveria ser diferente? Acredito que sim. E lamento que não seja.
Mas as pessoas, todas e especialmente as mais pobres e desamparadas, têm de se virar com a realidade que está aí. Hoje, agora. E estas são as portas que estão abertas – quando quase todo o resto parece falhar. Ou está fechado. Ou não tem vaga.
Onde mais a senhora do vídeo poderia contar no microfone, ser ouvida e ser abraçada por aquele que está no lugar da autoridade porque deu “uma bela cagada” pela primeira vez na vida?

Pois é.
Porque as novas igrejas evangélicas fazem tanto sucesso?

Por: Eliane Brum

Para cópia deste conteúdo, é obrigatória a publicação integral do texto e a divulgação do link www.amigodecristo.com
Informações Guiame Via :Revista Época

3 COMENTÁRIOS

  1. Caro amigo Falbo, paz. O Hermes Fernandes, a turma do Genizah, o Edu Medeiros, o Claudio Nunes, o Caio Fábio e cia, devem estar muito felizes com o STF. Afinal, nós da equipe do Júlio Severo nunca tíamos razões mesmo, sendo sempre ridicularizados e escanteados, por nossa posição ao declarar a verdade do assunto.

    Bem, quero lhe dizer que a perseguição já chegou até mim. Eles tem me monitorado e fui demitido do meu cargo de Capelão e a notícia foi dada por um Homossexual de um grupo ativista que atua na minha cidade, na minha porta. Mas, sei que meu Senhor não deixará faltar nada prá mim, minha esposa grávida de 7 meses e minha filha que está chegando. Estou experimentando o que Júlio passou com seus filhos. Seria bom denunciá-los em seu blog, se possível. Agradeceria muito.

    Estou profundamente decepcionado com a CGADB e sua omissão neste episódio. A luta pelo poder os deixou tão ocupados, por ocasião do Centenário, que não tiveram tempo de ver o estrago que o inimigo fizera. Com certeza, com o devido respeito, Pr. Silas Malafaia (apesar de falho como qualquer outro) teria evitado isso se estivesse à frente da mesma, pois ele é o único empenhado ao máximo.

    Já imaginou, usar nossas revistas de EBSs para saturar nosso povo de informações a respeito de tais ameaças e como reagir, Mensageiro da Paz, demais periódicos e meios virtuais e televisivos? Já pensou se ele pedisse aos Pastores dos 27 Estados, que trouxessem cada um os abaixo-assinados de todos os membros de seus respectivos estados, para levar ao Congresso barrando tais leis anti-cristãs?

    Corre na Internet comentários de que, por ele ser Maçom não poderia se manifestar contra o Movimento Gay, pois a Maçonaria é a que mais apoia eles. Há um vídeo inclusive, de um Ex-Maçom grau 33 chamado Stefanis Saad, hoje pastor, que o acusa formalmente. São 3 vídeos, este é o 3º. Veja o Link:
    http://www.youtube.com/watch?v=Pa3MGz4Ikuw

    Este outro afirma que ele falsificou documentos para o curso de Direito.
    http://www.youtube.com/watch?v=gRjlbrlA-Hs&feature=player_embedded

    Tais acusações não podem ficar sem resposta, senão configura revelia, isto é, quem cala consente. Ele precisa nos dar sua defesa.

    Só da Assembléia de Deus são quase 30 milhões, somando um total de 50 milhões de Evangélicos no País, que estão sofrendo essa humilhação do STF por falta de União e Organização.

    Algo parecido estar acontecendo com as cantoras chamadas hoje blasfemamente de "Divas". Aline Barros, Cassiane, Fernanda Brun, Ana P. Valadão, etc. Por terem assinado contrato com Gravadoras Pró-Gays não poderiam se pronunciar. Preferem a fama e o dinheiro, do que a vergonha da Cruz de Cristo.

    Sem falar que o STF não aprovou a Lei de Ficha Limpa que deveria, não julgou os Petistas do Mensalão mas, aprovou a união homoafetiva que não era de sua competência pois, acabaram criando uma Lei e criar Lei só o Congresso pode. E isto fizeram para agradar quem os nomeou Lula/Dilma. Sem falar que Dilma, segundo Dep. Manoel Ferreira que representava por ocasião das eleições os evangélicos, disse que ela se comprometeu em cartório a permitir que tal assunto viesse a ser discutido apenas no CONGRESSO.

    Rasgaram a Constituição e pisaram na Democracia, o que é muito perigoso. Mas, não podemos nos calar. Temos que pressionar nossos líderes. Ainda temos a PL 122, PNDH 3 e o Kit Gay. Devemos também divulgar o Plebicito que Marco Feliciano está promovendo para derrubar a ação do STF. Informe tais verdades ao Pr. José Carlos, sei que ele pode muito influênciar neste cenário, pois para isso Deus vos levantou. Para ser Sal e salgar. Senão, seremos pisados pelos Hom(ossexuais)ens.

    Forte abraço, paz.
    Obrigado e apareça em nosso Blog
    SOMENTE A VERDADE.
    resistenciacristaj.blogspot.com

  2. Quero ver esta fulana aí falar isto de alá ou maomé lá no Oriente médio. não faz, sebe porque?
    Por sabe que vai receber pena de morte.

    Sabe ela fala isto porque está cheia de sí, acha que seu conhecimento vale alguma coisa. quero ver na hora que estiver entre a vida e morte… do que valerá?

    Você fala isto porque o povo evangélico é de paz e não de guerra.

    Apesar da falta de maturidade desde pastor… era fé dela em jogo… isto é pessoal. Porque não comenta dos milagres compravados como: Cura de lepra, cegueira e etc…
    ou vai falar de "tal" milagre que o papa fez, que ninguem viu e ninguem sabe e "torna-se santo".

  3. Caro amigo Falbo, paz. O Hermes Fernandes, a turma do Genizah, o Edu Medeiros, o Claudio Nunes, o Caio Fábio e cia, devem estar muito felizes com o STF. Afinal, nós da equipe do Júlio Severo nunca tíamos razões mesmo, sendo sempre ridicularizados e escanteados, por nossa posição ao declarar a verdade do assunto.

    Bem, quero lhe dizer que a perseguição já chegou até mim. Eles tem me monitorado e fui demitido do meu cargo de Capelão e a notícia foi dada por um Homossexual de um grupo ativista que atua na minha cidade, na minha porta. Mas, sei que meu Senhor não deixará faltar nada prá mim, minha esposa grávida de 7 meses e minha filha que está chegando. Estou experimentando o que Júlio passou com seus filhos. Seria bom denunciá-los em seu blog, se possível. Agradeceria muito.

    Estou profundamente decepcionado com a CGADB e sua omissão neste episódio. A luta pelo poder os deixou tão ocupados, por ocasião do Centenário, que não tiveram tempo de ver o estrago que o inimigo fizera. Com certeza, com o devido respeito, Pr. Silas Malafaia (apesar de falho como qualquer outro) teria evitado isso se estivesse à frente da mesma, pois ele é o único empenhado ao máximo.

    Já imaginou, usar nossas revistas de EBSs para saturar nosso povo de informações a respeito de tais ameaças e como reagir, Mensageiro da Paz, demais periódicos e meios virtuais e televisivos? Já pensou se ele pedisse aos Pastores dos 27 Estados, que trouxessem cada um os abaixo-assinados de todos os membros de seus respectivos estados, para levar ao Congresso barrando tais leis anti-cristãs?

    Corre na Internet comentários de que, por ele ser Maçom não poderia se manifestar contra o Movimento Gay, pois a Maçonaria é a que mais apoia eles. Há um vídeo inclusive, de um Ex-Maçom grau 33 chamado Stefanis Saad, hoje pastor, que o acusa formalmente. São 3 vídeos, este é o 3º. Veja o Link:
    http://www.youtube.com/watch?v=Pa3MGz4Ikuw

    Este outro afirma que ele falsificou documentos para o curso de Direito.
    http://www.youtube.com/watch?v=gRjlbrlA-Hs&feature=player_embedded

    Tais acusações não podem ficar sem resposta, senão configura revelia, isto é, quem cala consente. Ele precisa nos dar sua defesa.

    Só da Assembléia de Deus são quase 30 milhões, somando um total de 50 milhões de Evangélicos no País, que estão sofrendo essa humilhação do STF por falta de União e Organização.

    Algo parecido estar acontecendo com as cantoras chamadas hoje blasfemamente de "Divas". Aline Barros, Cassiane, Fernanda Brun, Ana P. Valadão, etc. Por terem assinado contrato com Gravadoras Pró-Gays não poderiam se pronunciar. Preferem a fama e o dinheiro, do que a vergonha da Cruz de Cristo.

    Sem falar que o STF não aprovou a Lei de Ficha Limpa que deveria, não julgou os Petistas do Mensalão mas, aprovou a união homoafetiva que não era de sua competência pois, acabaram criando uma Lei e criar Lei só o Congresso pode. E isto fizeram para agradar quem os nomeou Lula/Dilma. Sem falar que Dilma, segundo Dep. Manoel Ferreira que representava por ocasião das eleições os evangélicos, disse que ela se comprometeu em cartório a permitir que tal assunto viesse a ser discutido apenas no CONGRESSO.

    Rasgaram a Constituição e pisaram na Democracia, o que é muito perigoso. Mas, não podemos nos calar. Temos que pressionar nossos líderes. Ainda temos a PL 122, PNDH 3 e o Kit Gay. Devemos também divulgar o Plebicito que Marco Feliciano está promovendo para derrubar a ação do STF. Informe tais verdades ao Pr. José Carlos, sei que ele pode muito influênciar neste cenário, pois para isso Deus vos levantou. Para ser Sal e salgar. Senão, seremos pisados pelos Hom(ossexuais)ens.

    Forte abraço, paz.
    Obrigado e apareça em nosso Blog
    SOMENTE A VERDADE.
    resistenciacristaj.blogspot.com

Deixe uma resposta