Queima do Alcorão causa a morte de 8 Funcionários da ONU

1

Queima do Alcorão causa a morte de 8 Funcionários da ONU

Pelo menos oito funcionários estrangeiros da Organização das Nações Unidas (ONU) foram mortos nesta sexta-feira na cidade afegã de Mazar-e-Sharif, informou a polícia local. De acordo com as autoridades, dois deles foram decapitados. Os crimes ocorreram durante um protesto contra a queima do Corão, o livro sagrado dos muçulmanos, em uma igreja americana, no mês passado.
Cerca de 1.000 manifestantes lotaram as ruas da cidade, que normalmente é tranquila, após as orações de sexta-feira. A violência explodiu duas ou três horas depois do início do protesto. Um pequeno grupo atacou um escritório da ONU, atirando pedras e escalando barreiras para tentar invadir o local.
Uma fonte policial, que não quis se identificar, disse que os manifestantes atacaram as vítimas dentro do complexo da ONU. O chefe da missão na cidade ficou ferido, mas sobreviveu. Entre os mortos estão funcionários noruegueses, romenos e suecos, acrescentou o policial. Um porta-voz da organização confirmou que “houve mortes entre os funcionários da entidade em Mazar-e-Sharif”, mas não forneceu detalhes.

Protesto contra pastor

De acordo com a rede britânica BBC, os manifestantes saíram às ruas em um “Dia de Ira” para protestar contra a ação do pastor americano Wayne Sapp, que ateou fogo a uma cópia do Corão, numa igreja da Flórida, em 20 de março. O pastor Terry Jones, que havia prometido queimar o livro sagrado islâmico no aniversário dos ataques de 11 de setembro no ano passado, estava presente. Na primeira ocasião, ele não chegou a realizar a queima após sofrer duras críticas. 

Para cópia deste conteúdo, é obrigatória a publicação integral do texto e a divulgação do link www.amigodecristo.com
Com informações Reuters / Veja

1 COMENTÁRIO

  1. O Pastor errou ao queimar o 'santo alcorão'. Era tudo o que os muçulmanos queriam, como pretexto, para fazer o que eles sabem como ninguém, MATAR.
    Aqui no ocidente eles gozam de grande liberdade de culto/crença religiosa, lá eles perseguem os cristãos.
    Aqui eles se quizerem podem até queimar a Biblia sem maiores problemas, lá se um muçulmano se converte ao cristianismo é como se o tal assinasse a própria sentença de morte.
    Aqui as mesquitas abrem a hora que quizer, lá as igrejas fazem os cultos de forma secreta, como na clandestinidade.
    Eles são oportunistas. Cadê o protesto das entidades islãmicas sediadas no Ocidente ante esta barbarie?
    É hora de repensar na reciprocidade.

Deixe uma resposta