Pastor pede que emissoras vetem campanha "gay é o novo negro"

0
Pastor pede que emissoras vetem campanha “gay é o novo negro”
O pastor e apologista cultural Voddie Baucham desafiou as emissoras cristãs na convenção aunal no sábado a não comprarem a propaganda “gay é o novo negro,” mas urgiu a permanecerem comprometidos a defender o casamento bíblico nas radiofrequências.
Baucham, que prega na Igreja Grace Family Baptist em Spring, Texas, soube que ele iria deixar muitas pessoas desconfortáveis ou contorcerem-se em seus assentos ao levantar essa questão da homossexualidade na abertura da sessão das Emissoras Religiosas Nacionais de 2011.
“Quando se trata de emissoras cristãs, nós ficamos nervosos, mesmo preocupados em lidar com esse tema,” disse ele aos atendentes da NRB no Gaylord Opryland Resort no Centro de Convenções.
O ministério Africano-Americano apontou que as emissoras cristãs sentem a necessidade de se desculpar diversas vezes ao público antes de falar sobre a homossexualidade em seus shows. Eles tentarão provar que eles não odeiam os gays dizendo que eles tem muitos amigos gays ou membros da família que são gays, disse ele.
“A razão é porque os homossexuais tem efetivamente co-optado por negro… pelo que agora, nós em verdade acreditamos que gay é o novo negro e nós acreditamos que o casamento homossexual é uma questão de direitos civis,” explicou ele.
“Eu me sinto insultado quando as pessoas igualam não somente uma atitude pecaminosa, mas uma conduta que é uma categoria especial de pecado chamado de abominação com o nível de melanina na minha pele,” disse ele.
Esse desconforto, de acordo com Baucham, é um resultado de uma agenda homossexual agressiva que começou cerca de 2 décadas atrás.
Voltando para 1989, um encontro ocorreu entre 144 nações com lideranças de ativistas homossexuais para encontrar como aproveitar a crise da AIDS para seus benefícios próprios e delinear uma estratégia de avançar o movimento LGBT.
Um dos produtos finais foi o que o encontro chamou de “Depois da Bola,” uma campanha de propaganda baseada em princípios de psicologia e publicidade para fazer os Estados Unidos aceitarem a homossexualidade, disse Baucham.
A campanha foi uma abordagem de três frentes envolvendo “dessensiblização,” “interferência,” e “conversão,” explicou ele.
Dessensibilizar significa trazer homossexualidade em frente à cultura em formas atrativas tais como mostrando o caráter de um gay em um filme sendo o mais esperto e melhor vestido. Intervenção é sobre igular a idéia de ser contra a homossexualidade com a idéia de ser como Nazi ou membro da KKK para criar desconforto entre as pessoas que não aceitam o homossexualismo. A conversão é ganhar pessoas para avançar a sua causa.
Baucham forneceu diversos exemplos de como essa estratégia está sendo conduzida por ativistas não homossexuais mas por líderes negros, juízes, líderes de negócios, e líderes religiosos.
Ele lamentou que os líderes negros estão promovendo “cobertura” para os ativistas homossexuais para fazer o papel de “carta de raça” ao invés de dar razões legítimas para suas demandas.
Para os líderes religiosos, ele os advertiu de serem vítimas de três ataques comuns na agenda homossexual: o ataque “ad hominem” (em latim, argumento contra a pessoa) , o petitio principii (ou argumento circular, uma falácia que se utiliza para demonstrar uma tese partindo do princípio que a mesma é válida) e falácia genética.
Com o ataque ad hominen, os ativistas homossexuais atacam o homem e os rotulam de “homofóbios” ou “má pessoa” e a tática do argumento circular eles somente assumem que casamento gay é um direito fundamental sem ter que provar isso. A falácia genética é usada quando os ativistas homossexuais dizem, “você está usando a religião para impor sua moralidade sobre mim,” rejeitando assim o argumento simplesmente baseado em ‘de onde eles vem,’ não baseados na lógica do argumento.
Lendo diversos versículos da Bíblia, Baucham sustentou que os Cristãos devem responder à homossexualidade com a verdade bíblica. Alguns Cristãos devem apontar o versículo que diz para não julgar os outros para justificar seu silêncio, reconheceu ele, mas eles devem também ler a parte onde Jesus nos diz para julgarmos a nós mesmos para que possamos julgar aos outros.
“Tire primeiro a trave do seu próprio olho para que você possa ver claramente para tirar o argueiro do olho do seu irmão. Nós somos ordenados a julgar,” disse Baucham.
Referindo-se a Ezequiel 33, o pastor relembrou os profissionais da mídia cristã que o sangue irá ser requerido em suas mãos se eles não falarem ao homem ímpio sair de seu caminho.
Mostrando amor, Baucham argumentou, não é somente permitir os homossexuais de viverem no pecado, mas é chamá-los para se arrepender e falar do que Cristo tem feito na cruz.
“Não há nada mais amoroso que chamar uma pessoa a se arrepender de seus pecados.”
Durante a sessão da noite no sábado, Frank Wright, presidente e diretor executivo das Emissoras Religiosas Nacionais, também discursou à multidão para dar o status de relatório da associação. Ele delineou os três principais desafios enfrentando as emissoras Cristãs hoje: o acesso da mídia, a discriminação ao ponto de vista, e a fidalidade bíblica.
Jay Sekulow, conselheiro-chefe do Centro Americano para a Lei e Justiça, deu atualizações sobre como seu grupo legal está defendendo a liberdade religiosa em todo o mundo desde o Paquistão à Nova York à Zimbabwe.
A artist
a de música Nicole C. Mullen também fez performance durante a sessão.
As Emissoras Religiosas Nacionais são a maior associação nacional cristã de profissionais cristãos da mídia. Sua convenção anual atrai centenas de profissionais desde rádio cristã, televisão, filmes e outras companhias de comunicação para workshops de treinamento e rede. A Convenção NRB e a Exposição este ano será concluída em 1º de março.

Informações: Christian Post / Portal Guiame ►

Deixe uma resposta