Estudo das Palavras que Descrevem a Palavra Pecado

0

Estudo das Palavras que Descrevem a Palavra Pecado

Epistemologia
Epistemologia = Ciência ou teoria do conhecimento, o sentido primário das palavras em relação às escrituras. Aqui veremos a sua aplicação buscando a definição divina para a palavra pecado. Qualquer definição diferente ou distinta desta palavra é um grave pecado e sabemos que tal erro teve sua origem no jardim do Éden. Há três palavras no Grego que definem a palavra conhecimento:
ginosko (G1097 ginosko) chegar a saber, vir a conhecer, obter conhecimento, perceber, sentir.
eido (G1492 eido) perceber com os olhos, perceber com algum dos sentidos, discernir descobrir.
epistamai (G1987 epistamai) por atenção em, fixar os pensamentos, mudar a si mesmo ou a sua mente para, concentrar o pensamento em algo, estar familiarizado com, entender. É desta palavra que se origina o termo “Epistemologia”.
Portanto, faremos um estudo de um grupo de palavras encontradas nas escrituras que definem o pecado em suas várias formas. O objetivo de estudarmos tais palavras, em seu sentido original, é o de ressaltar a gravidade e conseqüências do pecado, seja ele de qualquer natureza ou forma.
Pecado = Qualquer obra, palavra ou desejo que contrarie a lei de Deus.
No livro de Gênesis (3: 4 -5) vemos satanás, a antiga serpente (Apoc. 12:9), tentando a mulher dizendo: “e sereis como Deus sabendo o bem e o mal”. Isto nada mais é do que levar o homem a pensar que ele mesmo é quem define o que é certo ou errado, ou seja, a definição do que é ou o que não é pecado passa a estar nas mãos dos homens.
Vemos isto acontecer desde aquela época até os nossos dias. Os evolucionistas não crêem que o pecado exista e dão nomes diferentes á ele como: Alcoolismo = Doença, Homossexualidade = Estilo Opcional de Vida, Adultério/Fornicação = Manifestação de amor, Mentira = Necessidade de Sobrevivência, Avareza = Economizar, Paixões Desordenadas = Necessidade de Afirmação e Egoísmo = Busca da Auto-Estima. Eles não consideram tais atos como sendo pecado, mas como desvio de conduta, traumas da infância, fraqueza, desfrutar a vida e até em alguns casos, como sendo “normal”, pois ninguém é perfeito. Porém, somente Deus é quem tem o direito de definir não somente o que é pecado, mas acerca de tudo que envolve a nossa existência, tal como: o bem e o mal, o homem, a Salvação, Deus, o futuro, a eternidade, o perdão, o inferno, a criação e a condenação etc…
A realidade destas coisas não muda, mesmo que o homem creia ou não. Ainda que as ciências humanas e a filosofia neguem, isto não muda a verdade de Deus.
Sl 51: 4 – Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que é mal à tua vista, para que sejas justificado quando falares, e puro quando julgares.
Jo 8: 43 – Por que não entendeis a minha linguagem? Por não poderdes ouvir a minha palavra.
Rom 3: 1-4 – Qual é pois, a vantagem do judeu? Ou qual a utilidade da circuncisão? Muita, em toda a maneira, porque, primeiramente, as palavras de Deus lhe foram confiadas. Pois quê? Se alguns foram incrédulos, a sua incredulidade aniquilará a fidelidade de Deus? De maneira nenhuma; sempre seja Deus verdadeiro, e todo o homem mentiroso; como está escrito: Para que sejas justificado em tuas palavras, E venças quando fores julgado.
A queda do homem foi ocasionada pela mentira do diabo e a rejeição da verdade de Deus. Morrereis versus não Morrereis. Havia somente um pecado, um fruto proibido. Adão e Eva, depois da queda, começaram a dar uma definição distinta para as coisas, Gen. 3: 6 – E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela. Gen 3: 12 – Então disse Adão: A mulher que me deste por companheira, ela me deu da árvore, e comi.
No livro de Êxodo, cap 20, temos o decálogo ou os dez mandamentos, onde podemos ver a definição divina do que é o pecado, assim como no restante da Bíblia temos a aplicação desta lei de forma prática.
Vemos em Êxodo a lei moral e cerimonial, sendo que a cerimonial teve seu cumprimento em Cristo e por isso não estamos obrigados a guardar a lei neste sentido, ou seja, voltarmos a sacrificar animais, guardar o sábado e etc..
Entretanto, a lei moral permanece, pois reflete o caráter de Deus, e sendo Ele Santo, seu caráter é imutável.
Portanto, honrar pai e mãe, não matar, não adulterar, não furtar, não participar de falso testemunho e não cobiçar, fazem parte da lei moral de Deus e estará sempre em vigência. Assim como o Faraó considerava a religião dos Israelitas um produto da ociosidade (Êxodo 5: 14-19), cujo remédio era mais trabalho, assim o homem de hoje considera aqueles que baseiam suas vidas na Palavra de Deus como sendo pessoas irracionais e ignorantes.
Também devemos lembrar que não pode haver salvação sem que antes venha a convicção de pecado. Vemos Cristo aplicar a lei, de forma correta, ao levar primeiramente seus ouvintes a entenderem que eram pecadores (João 4: 16-18, Lucas 13: 1-5, Lucas 12: 13-20, Lucas 18: 18-23). Como alguém pode se arrepender se não leva em conta o que Deus pensa a respeito dos seus atos?
O grupo de palavras que estudaremos será este: Chata/hamartia , Avah, Rasha, Maal, Aven, Ashan, anomia, paraptoma, agnoema, hettema.
1- Chatá/hamartia (Strongs H2398/H266) é, literalmente, “perda da marca” “errar o alvo” Desviar-se do caminho. Refere-se a todos pecados cometidos contra a luz ou o conhecimento que já temos.
Os pecados cometidos contra o Evangelho são os mais sérios e receberão maior condenação (Jo 3: 19, Heb. 10: 28-29, II Ped. 2: 20-22). É o termo mais abrangente para se referir ao declínio moral ou perda do alvo do relacionamento correto com Deus. Refere-se ao pecado tanto na forma abstrata como na forma concreta, ao ato de pecar e ao pecado em sua realidade. É usado acerca do pecado como:
(a) princípio ou fonte de ação ou um elemento interior que produz atos (Rm 3: 9; 5: 12, 13, 20; 6: 1, 2: 7: 7), o abstrato pelo concreto: (Rm 7: 8, duas vezes, Rm 7: 9-11); em Rm 7: 13, “o pecado, para que se mostrasse pecado”, ou seja, “o pecado se tornou morte para mim, a fim de que se expusesse seu caráter odioso”; na última cláusula “o pecado se fizesse excessivamente maligno”, ou seja, pela santidade da lei, a verdadeira natureza do pecado foi projetada a manifestar-se na consciência.
(b) Um princípio ou poder governante, por exemplo, Rm 6:6 “(o corpo) do pecado”, aqui o “pecado é definido como um poder organizado que age através dos membros do corpo, embora o pecado se encontre na vontade (o corpo é o instrumento orgânico); na cláusula seguinte e em outras passagens, citadas a seguir, este princípio governante é personificado” (Rm 5: 21; 6: 12-14, 14, 17: 7: 11, 14, 17, 20, 25; 8: 2; I Cor. 15: 56; Hb 3: 13; 11: 25; 12:4, Tg 1: 15, segunda parte).
(c) Termo genérico (distinto dos termos específicos, como o nº 2, não obstante, as vezes, abrange o erro concreto, como por exemplo em João 8: 21, 34, 46; 9: 41; 15: 22-24; 19: 11); Em Rm 8: 3, “Deus enviando seu Filho em semelhança da [literalmente] carne do pecado”, a carne representa o corpo, o instrumento do “pecado” permanente [Jesus, o Filho preexistente de Deus, assumiu a carne humana, “da subs
tância da virgem Maria”; a realidade da encarnação para Ele, sem mancha de pecado (quanto ao termo homoioma, “semelhança” = não implica necessariamente que o objeto em questão foi derivado do outro, da mesma maneira que dois homens podem ser parecidos, porém sem nenhum grau de parentesco. Cristo foi gerado pelo Espírito Santo no ventre de Maria, sem a participação de José, desta forma Ele obteve um corpo humano, com natureza humana, porém sem pecado. Era necessário que Ele tomasse a forma humana para que pudesse morrer por nossos pecados, pois sendo Deus, ele não poderia morrer. (Col. 2: 9) Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade. (Emanuel, Deus conosco).
Também em Filipenses 2: 5 a 8 – De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, (6) Que sendo (existindo sempre) em forma (essência – tudo que pertence a divindade) de Deus, não teve por usurpação (não levou em conta) ser igual a Deus. (7) Mas, esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; (8) E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.
Devemos lembrar que sendo Deus e possuindo um corpo sem pecado (Hb. 4: 15), ninguém poderia matá-lo, embora os judeus incrédulos tentaram muitas vezes. (João 10: 17-18) Por isso o Pai me ama, porque dou minha vida para tornar a tomá-la. Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai.
Continuando ainda em Rom 8: 3, a expressão “pelo pecado”, ou seja, como oferta pelo pecado, “condenou o pecado na carne”, ou seja, Jesus tendo assumido a natureza humana, exceto o pecado, e tendo vivido uma vida sem pecado, morreu sob a condenação e julgamento devidos ao nosso “pecado” (Heb. 9: 26; 10: 6, 8, 18; 13: 11 I Jô 1: 7,8: 3: 4 (Na primeira parte, pois na segunda, pecado é definido como iniqüidade).
Em I João 3: 8 e 9 a tradução mais correta seria “praticar” ao invés de cometer, pois não é o cometimento de um ato que está em vista, mas a prática constante do pecado, conforme indicado pelo verbo “fazer”. O uso que o apóstolo Paulo faz do presente de poieo, “fazer”, expressa virtualmente o significado de prasso, “praticar”, o qual João não usa (não é raro neste sentido nas Epístolas de Paulo, por exemplo, Rom 1: 32; 2: 1; Gl 5: 21; Fl 4: 9) em I Pedro 4: 1 (singular nos melhores textos, literalmente, “já cessou do pecado”, ou seja, a fé, que nos leva a obediência á Cristo, que padeceu na carne por nossos pecados, nos leva também a não desejarmos mais viver na carne, mas mortificarmos nosso velho homem (I Pedro 4: 2).
As vezes a palavra é usada como virtualmente equivalente a uma condição de pecado (I João 1: 29 “o pecado, não “os pecados do mundo” ou como em I Co 15: 17, que nos dá a idéia de uma trajetória de pecado caracterizada por atos contínuos (Ex: I Tes 2: 16).
Em I João 5: 16 (segunda parte) a melhor tradução seria: “há pecado para a morte”, não um ato especial de pecado, mas o estado ou condição que produz atos; em I João 5: 17, “toda iniqüidade é pecado”, não é uma definição de pecado como em (I João 3: 4), mas dá uma especificação do termo em seu sentido genérico.
(d) Uma ação pecadora, um ato de pecado (Mt 12: 31; At 7: 60, Tg 1: 15 (primeira parte) Tg 2: 9; 4: 17; 5: 15, 20; I João 15: 16 (primeira parte).
Notas: Foi predito que Jesus, sob todos os aspectos não tinha pecado (II Cor 5: 21, I João 3: 5, Jô 14: 30, João 8:46, Hb 4: 15, I Pedro 2: 22.
Em Hebreus 9: 28 (segunda parte) a referência é uma oferta de pecado
Em II Co 5: 21, a frase “o fez pecado” indica que Deus tratou com Jesus como Ele tem que lidar com o pecado (pois Deus não esconde o pecado debaixo do tapete) e que Jesus cumpriu o que estava simbolizado na oferta pela culpa.
Portanto, não alcançar a norma, errar o alvo é o que lemos em Romanos 3: 23: Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus (glória = soma dos seus atributos, caráter). O homem, pela sua queda, nunca poderá alcançar a norma de Deus, que exige a perfeição, pois Deus exige amor e justiça perfeitos. Ninguém, exceto Deus, pode ser justo e amoroso a cada segundo, minuto, mês, ano, década ou eternamente, pois falhamos o tempo todo.
Sendo que Deus não rebaixa as suas exigências, no final, o homem perderá tudo, ou seja: a felicidade, a vida eterna e o próprio Deus.
Remédio: A justiça perfeita de Cristo creditada a nossa conta.
2- Avah (Perversão, o que está Torcido, dobrado Strongs H5753)
É a perversão da natureza humana. Vemos no Velho Testamento Jeová se queixar dos Israelitas por estarem numa condição torcida com relação a Sua lei.
Isaías 1: 4 Ai, nação pecadora, povo carregado de iniqüidade, descendência de malfeitores, filhos corruptores; deixaram ao SENHOR, blasfemaram o Santo de Israel, voltaram para trás.
O pecado perverteu a natureza humana e sua personalidade (Mente, Emoções e Vontade)
Natureza Humana – Romanos Cap.3 e 6
O Corpo Humano – Depravado, não em si, mas como instrumento do pecado.O pecado aproveita o corpo humano para convertê-lo em instrumento de iniqüidade. Mc 7:21; Ef 4:22
No coração do homem habita uma série de pecados que se manifestam em seus membros e faculdades, deixando assim a vontade humana escravizada pelo pecado (I Cor. 2: 14).
O homem rejeita a Deus e a verdadeira Bem-aventurança (SL 73: 22, 49: 20).
Em sentido moral, o pecado reduziu a raça humana a bestas, animais irracionais, bestas ignorantes. Vivem para o temporal, não pensam em Deus, eternidade, inferno, pecado… Buscam em sua sensualidade, o prazer carnal, satisfazer seus desejos e sentidos (Judas 10).
A ignorância para os animais não é pecado. Eles vivem para satisfazer seus instintos, porém viver assim, é um grave pecado para os homens.
Vemos o exemplo disto na parábola do filho pródigo (Lucas 15: 11-32), onde o encontramos “comendo com os porcos”, se portando de modo bruto e irracional.
Podemos ver nele o que vemos em muitos homens: Enfermidade mental, Loucura Espiritual e Demência. Mas, E, tornando em si, – Estava fora de si, agindo de forma ilógica.
Isaías 19: 14 O SENHOR derramou no meio dele um perverso espírito; e eles fizeram errar o Egito em toda a sua obra, como o bêbado quando se revolve no seu vómito.
Jeremias 3: 21 Nos lugares altos se ouviu uma voz, pranto e súplicas dos filhos de Israel; porquanto perverteram o seu caminho, e se esqueceram do SENHOR seu Deus.
Provérbios 12: 8 Cada qual será louvado segundo o seu entendimento, mas o perverso de coração estará em desprezo.
Provérbios 6: 12- 19 O homem mau, o homem iníquo tem a boca pervertida. Acena com os olhos, fala com os pés e faz sinais com os dedos. Há no seu coração perversidade, todo o tempo maquina mal; anda semeando contendas. Por isso a sua destruição virá repentinamente; subitamente será quebrantado, sem que haja cura. Estas seis coisas o SENHOR odeia, e a sétima a sua alma abomina: Olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, O coração que maquina pensamentos perversos, pés que se apressam a correr para o mal, A testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos.
Podemos comparar esta palavra com uma chave que não entra no cadeado por estar torcida. Joh 6: 70 – Respondeu-lhe Jesus: Não vos escolhi a vós os doze? e um de vós é um diabo. 1Tim 1:8-14 – Sabemos, porém, que a lei é boa, se alguém dela usa legitimamente; Sabendo isto, que a lei não é feita para o justo, mas para os injustos e obstinados, para os ímpios e pecadores, para os profanos e irreligiosos, para os parricidas e matricidas, para os homicidas, Para os devassos, para os sodomi
tas, para os roubadores de homens, para os mentirosos, para os perjuros, e para o que for contrário à sã doutrina, Conforme o evangelho da glória de Deus bem-aventurado, que me foi confiado. E dou graças ao que me tem confortado, a Cristo Jesus Senhor nosso, porque me teve por fiel, pondo-me no ministério; A mim, que dantes fui blasfemo, e perseguidor, e injurioso; mas alcancei misericórdia, porque o fiz ignorantemente, na incredulidade. E a graça de nosso Senhor superabundou com a fé e amor que há em Jesus Cristo.
Esta palavra define bem o resultado ou efeito do pecado na natureza humana. O pecado sempre resulta na perversão, desequilibro moral e espiritual e a distorção da imagem de Deus no homem. Podemos constatar isso, após a queda do homem, quando sua natureza foi totalmente afetada (passou a se esconder de Deus) e seu corpo passou a sofrer debilidades com a condenação da morte. Também podemos notar como o pecado não pode dar satisfação plena e duradoura ao homem. Quatro provas desta verdade:
A própria perversão mostra que o homem segue de um pecado para o outro e se degenerando cada vez mais. Gen 6: 5 – E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente. Rom 1:18-32 – Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens, que detêm a verdade em injustiça. Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis; Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis. Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si; Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém. Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro. E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm; Estando cheios de toda a iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade; Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães; Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia; Os quais, conhecendo a justiça de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem.
1- O uso de estímulos artificiais.
O crescimento assustador das drogas e do álcool para apagar suas consciências e os conduzirem a escravidão. II Pe 2: 19 – Prometendo-lhes liberdade, sendo eles mesmos servos da corrupção. Porque de quem alguém é vencido, do tal faz-se também servo.
2- Demência Espiritual.
Ef. 4:18-19 – Entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância que há neles, pela dureza do seu coração; Os quais, havendo perdido todo o sentimento, se entregaram à dissolução, para com avidez cometerem toda a impureza. Mas vós não aprendestes assim a Cristo,
Rom 1:21-22 – Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos.
3- O pecado é contra a verdadeira felicidade.
Seu resultado final é sempre trágico. Prov. 23:29-35 – Para quem são os ais? Para quem os pesares? Para quem as pelejas? Para quem as queixas? Para quem as feridas sem causa? E para quem os olhos vermelhos? Para os que se demoram perto do vinho, para os que andam buscando vinho misturado.Não olhes para o vinho quando se mostra vermelho, quando resplandece no copo e se escoa suavemente.No fim, picará como a cobra, e como o basilisco morderá. Os teus olhos olharão para as mulheres estranhas, e o teu coração falará perversidades. E serás como o que se deita no meio do mar, e como o que jaz no topo do mastro. E dirás: Espancaram-me e não me doeu; bateram-me e nem senti; quando despertarei? aí então beberei outra vez.
Remédio: A única coisa que pode sanar, alinhar, endireitar, corrigir o entendimento é a Palavra de Deus. Aos olhos de Deus, todo pecador está fora de si, numa espécie ou classe de loucura espiritual. II Cor. 4: 1-7 e I Cor. 2; 14.
3- Rasha (Confusão, desordem, alvoroço, caos – Strongs H7561)
O pecado por si só é desordem, confusão e vergonha. Dan 12:2 E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno. O caos que vemos no mundo é causado pelo pecado e, portanto, se Deus não exercesse Seu poder restritor ou colocasse limites, este mundo seria uma fossa insuportável. O poder corruptível do pecado é tão grande, que só o poder restritivo de Deus, através do Espírito Santo, é que pode manter este mundo ainda habitável. O fato de o governo civil, a família, a adoração pública e um certo grau de segurança ainda existirem, deve ser atribuído a graça comum de Deus. A moralidade e honestidade serem encontradas entre os descrentes, revela que Deus restringe o homem quanto a prática de toda a sua depravação. Mat 24:22 E se aqueles dias não fossem abreviados, ninguém se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias.
1Ti 2:1-2 Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecaçöes, oraçöes, intercessões, e ações de graças, por todos os homens; 2 Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade;
Gen 20:6 Ao que Deus lhe respondeu em sonhos: Bem sei eu que na sinceridade do teu coração fizeste isto; e também eu te tenho impedido de pecar contra mim; por isso não te permiti tocá-la;
Este poder de restrição de Deus é revelado pelo fato de Ele “endurecer” os corações ou entregar os homens a sua própria iniqüidade. Deus não é o autor do pecado (Tiago 1: 13), sendo assim, essa expressão deve significar que Deus retirou as restrições que antes impediam estes indivíduos de pecarem (Êxodo 10: 1; Salmos 105: 25, I Samuel 2: 25; Romanos 1: 24, 26, 28). A ação de Deus de tirar as restrições pode incluir a permissão de eventos que revelam a depravação do homem, ou a remoção da consciência e o medo da retribuição. O poder restritivo do Espírito Santo é uma benção que não devemos esquecer de agradecer a Deus. Os descrentes que se orgulham da sua moralidade e cultura exterior, pouco sabem das profundezas de depravação que está guardada em seus corações. É, de fato, uma verdade gloriosa Deus restringir todo w qualquer pecado que não venha a contribuir, no final, para a Sua glória. Sl 76:10 Certamente a cólera do homem redundará em teu louvor; o restante da cólera tu o restringirás. (Ron Crisp). Miséria, falta de paz, corrupção, intrigas e toda espécie de pecado reside na personalidade humana, que está em desordem no mais profundo do seu ser. Todos
problemas psicológicos, emocionais e espirituais são fruto deste caos ou desordem.
Isa 57:20-21 Mas os ímpios são como o mar bravo, porque não se pode aquietar, e as suas águas lançam de si lama e lodo. Não há paz para os ímpios, diz o meu Deus.
Rom 3:16-17 Os seus pés são ligeiros para derramar sangue. 16 Em seus caminhos há destruição e miséria.
Remédio: Uma mente sã, capaz de entender e aceitar o que Deus diz, para assim ter paz , domínio próprio e disciplina. Só podemos obtê-la pela conversão á Cristo.
Rom 8:19-25 Porque a ardente expectação da criatura espera a manifestação dos filhos de Deus. Porque a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua vontade, mas por causa do que a sujeitou, Na esperança de que também a mesma criatura será libertada da servidão da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus. Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora. E não só ela, mas nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, também gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo. Porque em esperança fomos salvos. Ora a esperança que se vê não é esperança; porque o que alguém vê como o esperará? Mas, se esperamos o que não vemos, com paciência o esperamos.
4- Maal (Strongs H4604) Infidelidade, traição, deslealdade (de forma secreta) hipocrisia, adultério espiritual, desconfiança em Deus.
Lev. 6: 2 Quando alguma pessoa pecar, e transgredir contra o SENHOR, e negar ao seu próximo o que lhe deu em guarda, ou o que deixou na sua mão, ou o roubo, ou o que reteve violentamente ao seu próximo.
Lev. 26: 40 Então confessarão a sua iniqüidade, e a iniqüidade de seus pais, com as suas transgressões, com que transgrediram contra mim; como também eles andaram contrariamente para comigo.
Num. 31: 16 Eis que estas foram as que, por conselho de Balaão, deram ocasião aos filhos de Israel de transgredir contra o SENHOR no caso de Peor; por isso houve aquela praga entre a congregação do SENHOR.
II Cron. 33: 19 E a sua oração, e como Deus se aplacou para com ele, e todo o seu pecado, e a sua transgressão, e os lugares onde edificou altos, e pós bosques e imagens de escultura, antes que se humilhasse, eis que estão escritos nos livros dos videntes.
Ezeq. 15: 8 E tornarei a terra em desolação, porquanto grandemente transgrediram, diz o Senhor DEUS.
Ezeq. 39: 26 E levarão sobre si a sua vergonha, e toda a sua rebeldia, com que se rebelaram contra mim, quando eles habitarem seguros na sua terra, sem haver quem os espante.
Todos os homens são adúlteros espirituais (Tiago 4: 4) e estão em inimizade contra Deus (Rom. 8: 6-7). Se os homens pudessem matar a Deus, o fariam, como tentaram fazê-lo com Cristo (Mat. 2: 16, 26: 4, Mar. 11:18, Luc. 18: 33, João 7: 19-25, 8: 37-40, João 12: 9-11).
Atos 3: 13-15 O Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, o Deus de nossos pais, glorificou a seu filho Jesus, a quem vós entregastes e perante a face de Pilatos negastes, tendo ele determinado que fosse solto. Mas vós negastes o Santo e o Justo, e pedistes que se vos desse um homem homicida. E matastes o Príncipe da vida, ao qual Deus ressuscitou dentre os mortos, do que nós somos testemunhas.
Remédio: Obediência ao Evangelho
5- Aven (Strongs H205) Vaidade, aquilo em que não há proveito, ilusório. (Palha) – Efésios 4: 17 E digo isto, e testifico no Senhor, para que não andeis mais como andam também os outros gentios, na vaidade da sua mente. Entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância que há neles, pela dureza do seu coração; Os quais, havendo perdido todo o sentimento, se entregaram à dissolução, para com avidez cometerem toda a impureza.
Jó 15: 35 Concebem a malícia, e dão à luz a iniqüidade, e o seu ventre prepara enganos.
Zacarias 10: 2 Porque os ídolos têm falado vaidade, e os adivinhos têm visto mentira, e contam sonhos falsos; com vaidade consolam, por isso seguem o seu caminho como ovelhas; estão aflitos, porque não há pastor.
Provérbios 22: 8 O que semear a perversidade segará males; e com a vara da sua própria indignação será extinto.
Isaías 41: 29 Eis que todos são vaidade; as suas obras não são coisa alguma; as suas imagens de fundição são vento e confusão.
O pecado só pode dar ao homem prazer momentâneo (Heb. 11: 25), mas no final, tudo se perderá e acabará como a palha. Bens, saúde e poder são coisas transitórias na vida de todo homem, como nos ensina o livro de Eclesiastes (Ecles 1: 1-3, 2: 1-26), vaidade tudo vaidade. A nossa vida carece de sentido ou valor quando buscamos dar sentido a nossa existência fora da pessoa e comunhão de Deus.
Jó 21: 17 -18 Quantas vezes sucede que se apaga a lâmpada dos ímpios, e lhes sobrevém a sua destruição? E Deus na sua ira lhes reparte dores! Porque são como a palha diante do vento, e como a pragana, que arrebata o redemoinho.
Salmo 1: 4 Não são assim os ímpios; mas são como a moinha que o vento espalha.
Isaías 5: 24 Por isso, como a língua de fogo consome a palha, e o restolho se desfaz pela chama, assim será a sua raiz como podridão, e a sua flor se esvaecerá como pó; porquanto rejeitaram a lei do SENHOR dos Exércitos, e desprezaram a palavra do Santo de Israel.
Isaías 29: 5 E a multidão dos teus inimigos será como o pó miúdo, e a multidão dos tiranos como a pragana que passa, e num momento repentino isso acontecerá.
Isaías 33: 11 Concebestes palha, dareis à luz restolho; e o vosso espírito vos devorará como o fogo.
Jeremias 23:28 O profeta que tem um sonho conte o sonho; e aquele que tem a minha palavra, fale a minha palavra com verdade. Que tem a palha com o trigo? diz o SENHOR.
Oséias 13: 1- 3 Quando Efraim falava, tremia-se; foi exaltado em Israel; mas ele se fez culpado em Baal, e morreu. E agora multiplicaram pecados, e da sua prata fizeram uma imagem de fundição, ídolos segundo o seu entendimento, todos obra de artífices, dos quais dizem: Os homens que sacrificam beijem os bezerros. Por isso serão como a nuvem da manhã, e como o orvalho da madrugada, que cedo passa; como folhelho que a tempestade lança da eira, e como a fumaça da chaminé.
Mateus 3: 12 Em sua mão tem a pá, e limpará a sua eira, e recolherá no celeiro o seu trigo, e queimará a palha com fogo que nunca se apagará.
6- Ashan (Strongs H817) Culpa ocasionada pela ignorância. Aquilo que sabemos e não fazemos é omissão, porém a ignorância não nos isenta da responsabilidade daquilo que deveríamos saber – Mateus 22: 29 – Jesus, porém, respondendo, disse-lhes: Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus. È, em certo sentido, o pecado principal que domina o nosso mundo. Eva cometeu este pecado, pois não conhecia ou manifestou ignorância do que exatamente significava “morrerás”.
Levítico 5: 17 E, se alguma pessoa pecar, e fizer, contra algum dos mandamentos do SENHOR, aquilo que não se deve fazer, ainda que o não soubesse, contudo será ela culpada, e levará a sua iniqüidade;
Atos17: 30 Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam;
Gênesis 26: 10 E disse Abimeleque: Que é isto que nos fizeste? Facilmente se teria deitado alguém deste povo com a tua mulher, e tu terias trazido sobre nós um delito.
João 4: 22 Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus.
Atos 17: 23 Porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse, pois, que vós honrais, não o conhecendo, é o que eu vos anuncio.
Remédio: Conhecer as Escrituras (Provérbios 1: 20 – 33)
7- Aval (Strongs H5765) Injustiça, desvio do que é correto e ético
. A falta de amor é a causa deste pecado (Mateus 24: 12). Quem não conhece a Deus não pode amar verdadeira e genuinamente aos outros. Nós o amamos porque Ele nos amou primeiro (I João 4: 7-21, I Cor. 13: 4-7).
Levítico 19: 15; 35 Não farás injustiça no juízo; não respeitarás o pobre, nem honrarás o poderoso; com justiça julgarás o teu próximo. 35 Não cometereis injustiça no juízo, nem na vara, nem no peso, nem na medida.
Salmo 82: 2 Até quando julgareis injustamente, e aceitareis as pessoas dos ímpios? (Selá.)
Salmo 43: 1 Faze-me justiça, ó Deus, e pleiteia a minha causa contra a nação ímpia. Livra-me do homem fraudulento e injusto.
Provérbios 29: 27 Abominação é, para os justos, o homem iníquo; mas abominação é para o iníquo o de retos caminhos.
Deuteronômio 25: 13-16 Na tua bolsa não terás pesos diversos, um grande e um pequeno. Na tua casa não terás dois tipos de efa, um grande e um pequeno. Peso inteiro e justo terás; efa inteiro e justo terás; para que se prolonguem os teus dias na terra que te dará o SENHOR teu Deus. Porque abominação é ao SENHOR teu Deus todo aquele que faz isto, todo aquele que fizer injustiça.
Salmo 71: 4 Livra-me, meu Deus, das mãos do ímpio, das mãos do homem injusto e cruel.
Salmo 92: 15 Para anunciar que o SENHOR é reto. Ele é a minha rocha e nele não há injustiça.
Remédio: Conversão a Deus. Efésios 4: 15-24-32
8- Parabasis (Strongs G3847) Violação, transgressão dos limites. Entrar em propriedade alheia ou privada sem autorização. Refere-se ao ato de não tocar, não entrar ou pisar aonde não nos é permitido.Vemos Adão e Eva cometerem este pecado ao transgredirem os limites a eles impostos no Éden. Para que a transgressão ocorra, deverá haver alguma coisa a se transgredir. O pecado ocorreu desde Adão até Moisés, fato este atestado pela morte. Aquelas pessoas que viveram entre a lei dada no paraíso (Gen. 2: 16-17) e a lei entregue no Sinai , pecaram, porém não á semelhança do pecado de Adão. Com a entrega da Lei no Monte Sinai, pela primeira vez houve a possibilidade de se transgredir a lei – Romanos 4: 15 – Porque a lei opera a ira. Porque onde não há lei também não há transgressão.
É cometer alguma ação que se mostra excessiva ou extravagante. É como invadir a linha ou limite. Em certo sentido, “Parabasis” é a transgressão de um mandamento dado ou entregue e, portanto, é mais sério do que “Hamartia”.
Todo transgressor é realmente um pecador, pois peca com conhecimento da lei, porém, nem todo pecador é um transgressor, pois alguns pecam sem ter conhecimento da lei “Porque onde não há lei também não há transgressão”. No primeiro caso há a “desobediência explícita” enquanto no segundo, a “desobediência implícita”.
Exemplo de Balaão: Números 22: 18 – Então Balaão respondeu, e disse aos servos de Balaque: Ainda que Balaque me desse a sua casa cheia de prata e de ouro, eu não poderia ir além da ordem do SENHOR meu Deus, para fazer coisa pequena ou grande.
Eva estava confundida pela sua ignorância a respeito da morte e todas as suas implicações e veio a cair em transgressão.
I Timóteo 2: 14 – E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão.
Romanos 5: 14 – No entanto, a morte reinou desde Adão até Moisés, até sobre aqueles que não tinham pecado à semelhança da transgressão de Adão, o qual é a figura daquele que havia de vir.
A liberdade que a serpente disse que Eva teria (Gen. 3: 5-6) ao poder decidir entre o bem e o mal, era na verdade uma transgressão que a levou a escravidão. A liberdade que satanás oferece ao homem, em detrimento da palavra de Deus e obediência a Sua vontade, faz dele um escravo do pecado.
II Coríntios 3: 17 – Ora, o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade.
Gálatas 5: 13 – Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pelo amor.
I Pedro 2: 16 – Como livres, e não tendo a liberdade por cobertura da malícia, mas como servos de Deus.
Romanos 6: 14- 17 – Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça. Pois que? Pecaremos porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum. Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça? Mas graças a Deus que, tendo sido servos do pecado, obedecestes de coraçäo à forma de doutrina a que fostes entregues. E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça.
Remédio: Liberdade verdadeira e Santificação.
9- Anomia – (Strongs G458) – Libertinagem – Sem Lei
Antinomianismo – Viver sem estar debaixo de nenhuma lei.
Todo homem é um antinomiano por natureza. Na verdade, todo pecado é em última instância, se colocar contra a lei de Deus.
Geralmente esta palavra é traduzida como “iniqüidade” e uma vez como “maldade”.
Anomia está em contraste com “dikaiosyne- justiça” e é usada com “anarquia”.
Anomos é utilizado negativamente pelo menos uma vez no Novo Testamento para se referir à pessoa que vive sem lei ou para quem a lei não tenha sido dada.
I Coríntios 9 : 21 Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei.
Em outro lugar, Anomia é usada para descrever o maior inimigo da lei, o homem do pecado – II Tessalonicenses 2: 8 – E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda. Aqui Anomia não se refere a alguém que vive sem lei, mas àquele que age contrário a lei, como também no caso de “Paranomia – Strongs G3892” que ocorre somente em II Pedro 2: 16 – Mas teve a repreensão da sua transgressão; o mudo jumento, falando com voz humana, impediu a loucura do profeta).
E em Atos 23: 3 “Paranomein – Strongs G3891” – Então Paulo lhe disse: Deus te ferirá, parede branqueada; tu estás aqui assentado para julgar-me conforme a lei, e contra a lei me mandas ferir?
Mateus 7: 23 – E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.
Romanos 6: 19 – Falo como homem, pela fraqueza da vossa carne; pois que, assim como apresentastes os vossos membros para servirem à imundícia, e à maldade para maldade, assim apresentai agora os vossos membros para servirem à justiça para santificação.
II Coríntios 6: 14 – Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?
Hebreus 10: 17 – E jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniqüidades.
I João 3: 4 – Qualquer que comete pecado, também comete iniqüidade; porque o pecado é iniqüidade.
Todo homem que comete pecado (Hamartia) transgride também a lei (Anomia) porque pecado (Hamartia) é a transgressão da lei (Anomia).
Concluímos assim que onde não há lei (Romanos 5: 13) pode haver “hamartia” ou “adikia Strongs G93 injustiça” , mas não “anomia” que é o erro cometido contra a lei adotada ou o desprezo pela lei e a permissividade moral pela qual a lei é violada.
Assim, os Gentios que não tem a lei (Romanos 2: 14) são culpados de pecado, porém não podem ser acusados de “anomia” pois pecam sem ter conhecimento da lei. Porém, atrás da lei de Moisés, que os Gentios nunca tiveram, havia outra lei, a lei original e a revelação da justiça de Deus, escrita nos corações de todos os homens (Romanos 2: 14-15). Sendo que esta lei não está completamente removida do coração humano
, todo pecado, mesmo aquele cometido pelo mais ignorante, cruel e obscurecido selvagem, deve ser, num sentido secundário, considerado como “anomia”, pois é a violação da mais antiga, embora parcial, lei de Deus.
Apesar dos Gentios não terem recebido a lei como os Judeus, não podem se desculpar dos seus pecados, pois pecam contra o que a sua própria natureza ensina e a consciência censura.
Remédio: Arrependimento. Mudança de mente, emoções e vontade acerca do pecado.

Autor: Pr Eduardo Alves Cadete
Fonte: www.PalavraPrudente.com.br

Deixe uma resposta