A mais religiosa de todas as campanhas

0

A mais religiosa de todas as campanhas

Por pressão principalmente das igrejas, questões como o aborto e a união estável homossexual ganharam este ano relevância nunca vista em eleições anteriores

Por menos que tenham pesado nos resultados das eleições – um dado a ser ainda analisado – temas religiosos tumultuaram a campanha para a Presidência da República. A religião, que em outras ocasiões entrou no debate por iniciativa do episcopado católico, subiu ao palanque e invadiu a internet em 2010 por pressão de cristãos de várias igrejas, com a introdução de questões como o aborto e a união estável de homossexuais. Bispos e pastores encamparam a discussão, mas a sugestão partiu das bases, para forçar os principais candidatos, Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB), a se definirem. Na quinta-feira, Bento XVI endossou indiretamente essa posição, falando a bispos brasileiros em Roma, aos quais aconselhou orientar os eleitores a rejeitar pelo voto candidatos e partidos favoráveis ao aborto e à eutanásia.

“Esse discurso do papa é uma ingerência direta nos negócios do Brasil, o presidente Lula deveria reclamar com o Vaticano”, reagiu Reginaldo Prandi, professor aposentado do Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo (USP). Ao analisar a introdução do tema religioso nas eleições, ele afirma que “as igrejas puseram o aborto na campanha e os marqueteiros caíram na esparrela, acolhendo uma questão que não é assunto para presidente da República, mas para deputados, em eleições proporcionais”. Para o sociólogo, “o catolicismo perdeu a noção de consciência social e apelou para temas morais, como o aborto e a união homossexual, porque não tem o que dizer”.

Prandi achou ridículo Dilma e Serra terem ido a Aparecida, por ocasião da festa da Padroeira do Brasil, “porque candidato não tem de pedir a bênção de bispo nem da Santa”. Para o sociólogo, “religião não é uma aliada confiável nessas circunstâncias e, como existem várias religiões, os presidenciáveis devem ter irritado os evangélicos, que baniram a devoção a Nossa Senhora de suas vidas”. Ao analisar os números do primeiro turno, Prandi chega à conclusão de que o debate em torno de temas religiosos não foi a causa, mas um elemento desestabilizador para Dilma não ter vencido em 3 de outubro. “A religião tumultuou a campanha, e isso foi interessante”, observou.

“A religião sempre teve importância nas eleições, sobretudo a Igreja Católica, mas este ano surgiu um fato novo, o ativismo religioso de grupos ou segmentos que, ao defender a vida e condenar o aborto, vetaram candidatos e partidos, recomendando aos fiéis que não votassem neles”, disse a socióloga Maria das Dores Campos Machado, professora da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Chama a atenção, diz, a ênfase dada a um tema moral, em contraste com campanhas passadas, quando as preocupações eram a pobreza, a fome e a justiça social, plataformas dos militantes das CEBs (Comunidades Eclesiais de Base), que estavam nas origens do PT.

O debate sobre aborto, na avaliação de Maria das Dores, levou a uma queda de braço que não se via nas últimas décadas, não só entre bispos da Igreja Católica, mas também entre líderes evangélicos. “Essa discussão é nociva, porque me parece marcada pelo fisiologismo e pela troca de favores”, adverte. “As igrejas se dividem e disputam espaço no plano regional, ao declarar apoio pragmático a um candidato.”

Fundamentalismo

Outro sociólogo, Luiz Alberto Gomez de Souza, diretor do Programa de Estudos Avançados em Ciência e Religião da Universidade Cândido Mendes, no Rio, acha que houve uma valorização excessiva do tema religioso e uma instrumentalização dessa questão por grupos fundamentalistas. “Nunca houve, em eleições anteriores, essa polarização que se viu agora, nem mesmo quando a Igreja Católica condenava candidatos favoráveis ao divórcio, como o senador Nelson Carneiro (autor e defensor do projeto)”, observou o sociólogo. Em sua avaliação, foi negativo cobrar dos candidatos uma definição pessoal em relação ao aborto, porque “no mundo moderno e leigo em que vivemos, isso é fazer confusão entre fé e política”.

É diferente a opinião do presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), d. Geraldo Lyrio Rocha. Ao falar sobre a polêmica criada pelo bispo de Guarulhos, d. Luiz Gonzaga Bergonzini, e outros bispos que recomendaram aos eleitores não votar em Dilma, ele declarou, em Brasília, que o aborto não poderia ter ficado fora do debate eleitoral. A CNBB não citou nomes de candidatos, preferindo aconselhar os católicos a escolher pessoas comprometidas com a defesa de valores éticos, entre eles a defesa da vida, mas reconheceu o direito de um bispo se pronunciar da maneira que quiser, em sua diocese.

“D. Geraldo Lyrio tomou uma posição equilibrada, de acordo com a tradição do episcopado de não apoiar ou vetar candidatos, mas de falar em princípios”, elogiou o padre José Oscar Beozzo, historiador e teólogo. Mesmo quando o cardeal Joaquim Arcoverde, arcebispo do Rio, tentou, sem sucesso, criar um partido em 1915, a Igreja limitou-se a dar orientação geral. Em 1933, a Liga Eleitoral Católica apoiou a instituição do voto feminino, então restrito às viúvas e às desquitadas, e fez campanha pelo alistamento de eleitores, arregimentados à porta dos templos. Em 1946, os bispos combateram comunistas e divorcistas, sem citar nomes.

A novidade da campanha de 2010, segundo Beozzo, foi ter entrado em cena um lobby contra o aborto, “fazendo dele a questão única por influência dos movimentos Pro Vida e Opus Dei, como se fosse essa a posição oficial da Igreja”. Esse equívoco provocou um racha no episcopado, como não se via desde 1968, “quando um grupo de bispos pediu ao presidente Costa e Silva que interviesse na CNBB para banir os comunistas do episcopado”. Em vez de vetar candidatos supostamente favoráveis ao aborto, sugere o teólogo, os bispos deveriam dar aos fiéis a liberdade de tomar posição de acordo com sua consciência.

Fonte: Estadão
Veja algumas postagens que fez dessa camapanha a mais religiosa de todas! 

José Serra distribui cartão com frase sobre Jesus é a verdade e a justiça

José Serra distribui cartão com frase sobre Jesus é a verdade e a justiça Campanha distribui em SP cartão com frase de Serra sobre Jesus. “Jesus é a…

 

Novos santinhos da campanha de Serra terá inscrição sobre Jesus em destaque

Novos santinhos da campanha de Serra terá inscrição sobre Jesus em destaqueNesta quinta-feira (14), o candidato do PSDB à Presidência, José Serra, voltou a dizer que é a…

 

Dilma Rousseff se encontra com líderes evangélicos

Dilma Rousseff se encontra com líderes evangélicosEm Brasília, a candidata do PT se comprometeu a não legislar sobre aborto e liberdade religiosa, caso seja eleita. Em Brasília, a…

 

Pastores declaram apoio a Serra e distribuem carta aberta contra o PT

Pastores declaram apoio a Serra e distribuem carta aberta contra o PT A campanha do presidenciável José Serra (PSDB) em Pernambuco recebeu, nesta sexta-feira (22), o apoio de…

 

Pastor Marco Feliciano edita carta para fiéis pedindo votos para Dilma Rousseff

Pastor Marco Feliciano edita carta para fiéis pedindo votos para Dilma Rousseff Após Manoel Ferreira, Robson Rodovalho, Samuel Câmara e Edir Macedo, chegou a vez do pastor Marco…

 

Líderes evangélicos que apoiam o candidato José serra está sendo beneficiado em troca de votos

Líderes evangélicos que apoiam o candidato José serra está sendo beneficiado em troca de votos A campanha de José Serra (PSDB) está oferecendo benefícios a igrejas evangélicas e…

 

José Serra afirma que Dilma Rousseff está explorando a religião na política

José Serra afirma que Dilma Rousseff está explorando a religião na política O candidato José Serra disse ontem no Jornal Nacional, na Rede Globo, que não explora os…

 

Apóstolo Valdemiro Santiago participa do horário eleitoral pedindo votos para José Serra.

Apóstolo Valdemiro Santiago participa do horário eleitoral pedindo votos para José Serra. Depois de conseguir o apoio dos pastores Silas Malafaia, José Wellington e contar com o apoio…

 

Em Goiás, presidente Lula volta a citar Deus

Em Goiás, Lula volta a citar Deus e ataca Marconi Perillo O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a citar Deus ao discursar nesta terça-feira, em Goiânia…

 

Pesquisa mostra Serra na frente de Dilma entre os evangélicos

Pesquisa mostra Serra na frente de Dilma entre os evangélicos Pesquisa Vox Populi/iG divulgada ontem mostrou que Serra atingiu 44% entre os entrevistados que se declararam evangélicos e…

Deixe uma resposta