Tribunal presbiteriano repreende ministro por casamentos gay

4

Um ministro da Califórnia foi repreendido, na sexta-feira, por um tribunal da Igreja Presbiteriana (EUA) por  realização de cerimônias casamento gay.

Em uma votação 4-2 pela Comissão Judicial do Presbitério Redwood, a Rev. Jane Adams Spahr foi considerada culpada por representar as cerimônias como casamentos, persistentemente, desobedecendo a lei da Igreja, e violando sua ordenação votos.

Um leigo anônimo trouxe acusações contra Spahr, ativista lésbica e um pastor presbiteriano há 36 anos, depois que oficializaram o casamento de 16 casais do mesmo sexo durante o breve período em que o casamento do mesmo sexo foi legal na Califórnia, entre junho e novembro de 2008.

Notavelmente, o veredicto veio com uma página de elogios na decisão 2 ½ páginas.

“Parabenizamos a Dr. Spahr e damos graças por seu ministério profético, que há 35 anos tem alargado o apoio às ‘pessoas que buscam a dignidade, liberdade e respeito que lhes têm sido negado, e tem procurado corrigir “os erros contra pessoas, grupos, e os povos na Igreja, neste país e no mundo, “declarou o juiz da Igreja.

O tribunal regional foi mais além do que apelar ao PC (EUA) para “reexaminar” o seu “medo e ignorância que continua a rejeitar a inclusão do Evangelho de Jesus Cristo.”

O painel de seis membros, argumentou que a Constituição da PC (EUA) contém normas conflitantes e contraditórias e regulamentações referentes ao casamento. Embora a Constituição estabeleça que “o casamento é um dom que Deus deu a toda a humanidade para o bem-estar de toda a família humana,” a frase é seguida por “O casamento é um contrato civil entre um homem e uma mulher,” apontou o painel.

“[Na] realidade em que vivemos hoje, o casamento pode ser entre o mesmo sexo, bem como pessoas sexo oposto, e nós, como Igreja, precisamos ser capazes de responder a esta realidade, como Dr. Jane Spahr fez com fidelidade e compaixão,” afirmou o painel.

Embora expressado o apoio à Spahr, o tribunal concluiu que, em última instância é “obrigada a aceitar” a linguagem de uma decisão anterior feita pelo mais alto tribunal da PC (EUA) – que os agentes da PC (EUA) autorizados a realizar casamentos “não indicam, implicam ou representam que uma cerimônia do mesmo sexo é um casamento.”

Dirigindo casais do mesmo sexo que testemunharam no julgamento desta semana, o órgão pediu perdão em nome da Igreja “para o mal que tem sido e continua a ser feito a eles em nome de Jesus Cristo.”

Spahr recebeu a punição leve de ser censurada pela censura e intimada a evitar infrações semelhantes no futuro. Ela pretende apelar da decisão.

Anteriormente, em 2008, Spahr foi inocentada de culpa pelo mais alto tribunal da denominação, a Comissão Judicial Permanente da Assembléia Geral. A corte elevada tinha revertido uma decisão de uma comissão regional judicial que encontrou Spahr culpada por má conduta quando ela conduziu cerimônias para dois casais de lésbicas em 2004.

A PC (EUA) é a maior denominação presbiteriana do país, com mais de 2 milhões de membros. O corpo da Igreja define casamento como sendo entre um homem e uma mulher e seu mais alto órgão legislativo votou em julho, para manter essa definição.

Embora a denominação apoie atualmente o casamento tradicional e proíbe ministros não-celibatários gays de servirem, membros conservadores têm estado descontentes com sua direção cada vez mais liberal. O mais alto órgão legislativo da PC (EUA) votou, pela quarta vez desde 1997, em julho, para abrir a ordenação aos homossexuais. A maioria dos votos de 173 presbitérios é necessária para ratificar a proposta. O órgão regulador também votou para instar o Conselho de Pensões a modificarem suas políticas em prover aos cônjuges do mesmo sexo e os parceiros domésticos da equipe de funcionários da Igreja os mesmos benefícios que os membros casados recebem.

Fonte: Christian Post

4 COMENTÁRIOS

  1. Esse tipo de notícia traz muita tristeza para mim. Ver uma denominação histórica descambar para esse lado. Só o questionar a questão já é uma vergonha, esse é um assunto que nem deveria estar na pauta das discussões. Gostaria de deixar claro que, por questõs como essas que a Igreja Presbiteriana do Brasil não tem laços nem vínculos com a PCUSA (Presbiterian Church USA). A IPB é radicalmente contra o homossexualismo e todo esse liberalismo que ronda a PCUSA.

  2. Esse tipo de notícia traz muita tristeza para mim. Ver uma denominação histórica descambar para esse lado. Só o questionar a questão já é uma vergonha, esse é um assunto que nem deveria estar na pauta das discussões. Gostaria de deixar claro que, por questõs como essas que a Igreja Presbiteriana do Brasil não tem laços nem vínculos com a PCUSA (Presbiterian Church USA). A IPB é radicalmente contra o homossexualismo e todo esse liberalismo que ronda a PCUSA.

Deixe uma resposta