O Amor no Namoro

2

O Amor no Namoro

O Amor no Namoro
O Amor no Namoro

Dois jovens, rivais pela mão de uma linda moça numa comunidade rural, ficaram um atrapalhando o outro até que, finalmente, resolveram acertar as contas com os punhos numa noite escura, na beira do rio. Quando a poeira abaixou, um deles, machucado, afastou-se em desgraça enquanto o outro, um pouco menos machucado, foi triunfante tomar a mão da bela donzela. Isso é que é amor!
Mas será que é? É isto o que o apóstolo João descreveu:

“Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus; e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus” (1 João 4:7)

 

         Dificilmente, em qualquer lugar tal amor piedoso é menos provável que seja encontrado do que no romance ao estilo moderno. Deus parece ser quase um intruso no namoro. O fato é que Deus é Aquele que por primeiro identificou a necessidade de companhia para o homem e que originou o casamento. O que quer que no romance seja chamado “amor” que não se origine em Deus é uma falsificação. Qualquer casamento baseado num tal amor sem Deus está sobre uma fundação abalada, ou até pior.

Amor para Deus

         Um genuíno amor a Deus afetará o conceito do namoro. Ele será considerado uma oportunidade para se familiarizar com uma pessoa, de modo a avaliar seu caráter, personalidade, intelecto, disposição e aptidão em geral para o casamento. Infelizmente, o único modelo que muitas pessoas têm para o namoro é o de Hollywood, que parece medir o sucesso em termos do prazer sexual conseguido. A química sexual é tão forte, contudo, que quando ela começa a influenciar o desenvolivmento do namoro, o casal tende a ficar cego para todas as outras considerações.
O amor a Deus afetará nossa escolha de um parceiro para o namoro. Em vista do conceito mencionado acima, nenhum indivíduo que seja moral e espiritualmente inapto para o casamento deveria ser namorado. O namoro tende a aumentar nossa tolerância das faltas do outro. Enquanto essas faltas sejam físicas, econômicas, sociais ou mesmo temporais por natureza, tal tolerância pode não ser fatal. Mas muito freqüentemente, faltas morais e espirituais chegam a ser aceitas e os resultados são desastrosos para a alma.
O amor a Deus também afetará a nossa conduta no namoro. Deus será reconhecido como um acompanhante em todos os encontros. Seu olhar que tudo vê não será esquecido, mesmo no escuro.

“De que maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho? Observando-o segundo a tua palavra” (Salmo 119:9).

Amor para companheiro

Nosso amor por um parceiro de namoro precisa ser um amor piedoso. Tal amor “não busca o que é seu”. Um rapaz cuja preocupação principal no namoro e casamento é o que ele vai conseguir de uma moça não é um bom candidato para o casamento; nem o é a moça que é inteiramente egoísta. Enquanto um homem não reconhece o amor sacrificial de Cristo pela igreja como seu ideal, ele não está preparado para o casamento. Nem uma moça estará pronta para o casamento enquanto não estiver ansiosa para ser um “auxílio” para seu esposo. Se o egoísmo é um problema no namoro, será muito mais no casamento.
Um amor cristão está profundamente preocupado como o bem-estar espiritual de outros. Um homem com tal amor, tendo escolhido uma mulher piedosa para sua companheira, jamais pensaria em violar a virtude dela, não importa quão forte suas paixões possam ser. Ele não a vê como um objeto a ser usado para seu prazer, mas como um tesouro a ser respeitado e protegido. É impensável, também, que uma mulher cristã, exercendo aquele amor que vem de Deus, se orgulhasse de “fazer um homem ficar nervoso” pelo modo como ela se veste ou se comporta. Ainda que ela possa “saber como cuidar-se,” ela entende que o “o saber ensoberbece, mas o amor edifica” (1 Coríntios 8:1). O amor que vem de Deus nunca deve desafiar outro a pecar com as palavras, “Se me ama, você fará”. Amor piedoso “não se regozija na iniquidade”. Qualquer expressão suposta de amor que seja desagradável a Deus, é fraudulenta.

Amor para rivais

Muitos cristãos devotos em outras situações parecem aceitar o velho adágio que “na guerra como no amor tudo vale”.”Inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas” parecem ser perfeitamente justificados. Não importa a ocasião, estas são obras da carne e “não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam” (Gálatas 5:19-21). Muitos que não recorreriam a golpes físicos para acertar uma rivalidade usarão de trapaça, engano, duplicidade, astúcia, perfídia, mexerico, calúnia e o que mais possa vir-lhes à cabeça para conseguir seu intento.

“Esta não é a sabedoria que desce lá do alto; antes, é terrena, animal e demoníaca. Pois onde há inveja e sentimento faccioso, aí há confusão e toda espécie de cousas ruins” (Tiago 3:15-16).

 

        Nenhum homem ou mulher é digno de tal corrupção da alma. É melhor exercer aquela
“sabedoria, porém, lá do alto [que] é, primeiramente pura; depois, pacífica, indulgente, tratável, plena de misericórdia e de bons frutos, imparcial, sem fingimento” (Tiago 3:17).

 

         Esta sabedoria conquistará qualquer parceiro que valha a pena conquistar.
Graças a Deus, muitos que sucumbem a tal tentação se arrependem e amadurecem depois que seu prêmio é conquistado. O jovem que conquistou sua noiva naquela noite à beira do rio, amadureceu e não recomendará seu ato a outros.
Não, verdadeiramente, a lei do amor piedoso não fica suspensa durante o namoro!

Autor: Sewell Hall
Veja outros artigos relacionado ao nomoro cristão: 

Até onde vai a intimidade entre namorados?

2 COMENTÁRIOS

  1. A graça e paz do Senhor Jesus!
    venho para agradecer a extrema educação e o espirito de apacentador, pelo irmão demonstrado, garanto que tudo aquilo foi uma tentativa, infeiz da minha parte, de querer opinar no blog da nossa irmã Crilaine, mas garanto que isso não irá acontecer novamente.
    Eu ainda estou esperando a resposta da nossa parceria!

    Paz seja contigo!

  2. A graça e paz do Senhor Jesus!
    venho para agradecer a extrema educação e o espirito de apacentador, pelo irmão demonstrado, garanto que tudo aquilo foi uma tentativa, infeiz da minha parte, de querer opinar no blog da nossa irmã Crilaine, mas garanto que isso não irá acontecer novamente.
    Eu ainda estou esperando a resposta da nossa parceria!

    Paz seja contigo!

Deixe uma resposta