Que Culto é Esse Vosso?

2

Que Culto é Esse Vosso?

Que Culto é Esse Vosso?
Que Culto é Esse Vosso?

Culto quer dizer veneração; a quem se adora. No capitulo 32 de Êxodo encontramos uma história de apostasia que se repete nos dias de hoje. Os personagens bíblicos tipificam os envolvidos nesta narrativa. Deus é o mesmo, o que revela a sua vontade e mandamento por meio das tábuas, ou seja, das Sagradas Escrituras. Moisés representa o Cristo, assim como ele tirou o povo do Egito, Jesus nos tirou do império das trevas, das garras de satanás. Arão é aquele que Moisés ao subir para o monte lhe deu a responsabilidade de cuidar e velar pelo povo e que representa o líder da igreja como organização e o povo é a igreja.
Jesus veio ao mundo para nos tirar do Egito onde éramos escravos (por isso devemos cultuá-lo), tendo nos libertado subiu para o monte santo de Deus e nós igreja que ficamos aqui embaixo no pé do monte, aguardávamos a sua promessa de vir nos buscar, e com paciência o aguardávamos, até acharmos que Ele se demora e com isto começamos a questionar a sua vinda – II Pe 2.4 e buscar deuses para nós, saindo de sua vontade para nossa vida e a buscarmos satisfação própria.

Como Arão foi a boca de Moisés e seu auxiliar na edificação do povo, assim é a pessoa do líder da igreja em submissão a Cristo. Mas diante das pressões do povo, muitos líderes têm levantado um bezerro de ouro em suas igrejas, para o povo se prostituir. Muitas inovações e abominações sendo toleradas dentro da casa de Deus em prol de agradar o povo e descaracterizando o verdadeiro culto ao nosso libertador.
Nos tempos antigos a mesma coisa acontecia, os chefes dos sacerdotes e o povo aumentavam de mais em mais as abominações dos gentios; e contaminavam a casa do Senhor, que ele tinha santificado em Jerusalém. E o Senhor, Deus de seus pais, lhes enviou a sua palavra pelos seus mensageiros, madrugando e enviando-lhes, porque se compadeceu do seu povo e da sua habitação. Porém zombaram dos mensageiros de Deus, e desprezaram as suas palavras, e escarneceram de seus profetas, até que o furor do Senhor subiu tanto contra o seu povo que mais nenhum remédio houve – II Cr 30.14 – 16; Jr 25.3 – 7; 32.12 – 17.
Está havendo uma grande dificuldade entre nós, no que diz respeito à adoração, a formalidade enfadonha de nossos cultos tem nos levado apenas a uma contemplação estática sem uma perfeita adoração. Em alguns templos dar glória a Deus é uma atitude que está saudosamente na lembrança dos antigos, as palmas, substituíram a glorificação. Na realidade a formalidade fez com que muitos líderes buscassem novos métodos litúrgicos para induzir o povo a adorar, mas a deficiência não está na liturgia, mas na unção que antes era sobre nós e que nós perdemos. A unção é que despedaça o jugo – Is 10.28c e não métodos meramente humanos como apresentações técnicas de louvores e pregações, e tampouco a extrema mudança na semelhança de Arão.
Era costume do povo (adquirido no Egito) adorar imagens, por isto quando Moisés se demorou no monte, ele clamou a Arão para que fundisse um ponto de contato. A mesma prática encontramos no Egito de hoje (o mundo), lá a idolatria e adoração aos cantores, jogadores, atores e etc predominam, e nós que fomos criados neste Egito por muito tempo, às vezes queremos voltar às práticas antigas. Como o povo de Israel, queremos levantar bezerros para adora-los, bezerros estes que muita das vezes são cantores e artistas famosos “convertidos” ao Evangelho. Dois detalhes muito importantes me cabe ressaltar: O primeiro é  que da mesma maneira que o bezerro de ouro do velho testamento foi fundido com o dinheiro do povo – Ex 32.2-4, os bezerros de hoje também são. Ofertas e mais ofertas são levantadas para trazer e pagar a fundição destes bezerros humanos, que são alvos da adoração do povo (igrejas, hoje, que não os contratam ficam vazias). O segundo é que da mesma maneira que o bezerro de ouro trouxe enfermidade e morte para Israel, os nossos bezerros humanos nos deixam enfermos, nos matam espiritualmente e agridem a Deus e a sua santidade, dado a grande corrupção, moral, espiritual e comercial que promovem.
Arão proclamou uma festa ao Senhor e o destaque desta festa foi o bezerro de ouro que Arão fundira e diante do qual o povo se inclinou, sacrificou e disse: Estes são os teus deuses, ó Israel, que te tiraram da terra do Egito.
Neste culto o povo começou a entregar-se às danças e orgia sexual. Segundo o versículo 25, o povo “estava despido” (literalmente: Ficou à solta e despido). Logo, o pecado dos israelitas pode ter incluído a nudez da multidão para volúpia da carne em geral, algo rigorosamente vedado pela lei de Deus (Fonte: Bíblia de estudos pentecostal pg. 165).
Diante de tudo isto a ira de Deus acendeu-se e disse a Moisés: Vai, desce depressa; por que o teu povo, que fizeste subir do Egito, se tem corrompido e depressa se tem desviado do caminho que Eu lhes tinha ordenado (…) tenho visto a este povo, e eis que é povo obstinado, agora, pois, deixa-me, que o meu furor se acenda contra eles e os consuma… Ex 32.7-10.
Assim como ordenou a Moisés, a ordem de Deus para Cristo é: Vai desce depressa – vs. 7a.
Jesus está às portas. O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia, mas é longânimo para convosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se, mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite… II Pe 3.9,10a. Jesus está retendo a sua vinda, aguardando o arrependimento de muitos.
Quão maravilhoso é ver Moisés intercedendo pelo povo e saber que da mesma maneira procede Cristo  – Rm 8.34, pois Ele intercede pela igreja junto ao Pai.
Enquanto Moisés descia do monte, daria tempo do povo se consertar, abandonando o pecado e apostasia, mas a vinda de Cristo será rápida, como num abrir e fechar de olhos a Eclésia será arrebatada, será a hora que Ele encontrará muitos despidos, para vergonha entre os seus inimigos e se porá de pé na porta do arraial (nas nuvens) e dirá: Quem é do Senhor, venha a mim – vs. 25, 26a.
A palavra de Deus diz que os idolatras não hão de herdar o reino de Deus. Na verdade nós não temos o hábito de fundir imagens de esculturas e por isto achamos que estamos livres da idolatria, mas idolatria não é somente fundir imagens para adorá-las, mas nos moldarmos segundo a imagem pessoal de alguém, imitá-los e nos conduzirmos como eles, no cantar, andar, vestir e pensar.
Temos assimilado a personalidade de nossos ídolos (muitos deles personalidades famosas do mundo secular) e rejeitado nos moldar segundo o modelo de Cristo (de quem a Bíblia diz que não tinha parecer nem formosura), banalizando o sagrado e valorizando o profano. E o profano tem invadido as nossas igrejas através dos grupos musicais que se moldam em conformidade com o mundo e levam o ritmo musical do funk e do hip hop para cima dos púlpitos.
Três mil morreram por causa da idolatria ao bezerro de ouro, e Arão, o seu líder e fabricante continuou vivo. Quantos irmãos, hoje, estão mortos espiritualmente? Pastores que levantaram bezerros de ouro em suas igrejas, levando o povo a se apostatar do verdadeiro culto a Deus.

O que temos visto hoje nos púlpitos das igrejas e nos clips gospels é algo escandalizador, um bando de “músicos” de boné, bermudas, tatuagens, correntes e piercings no estilo dos cantores mundanos, fazendo os mesmos gestos de invocação aos demônios que muitos cantores seculares fazem, demonstrando que algo é preciso ser feito, para que o Evangelho não se torne para o mundo que nos assiste, meras palavras sem efeito transformador de vida.

Hoje o povo não sabe mais o que significa cultuar e para qual intento o culto foi instituído, mas há de ser que quando vossos filhos vos perguntarem dizendo: Que culto é esse vosso? O que direis? Que é campanha, corrente, reunião, show para se gravar CD ou DVD, espetáculo, festa? Ou que é culto à Deus pela nossa libertação das mãos de nossos inimigos, com sinais, prodígios e maravilhas? Preservemos, pois, o verdadeiro culto à Deus e ensinemos aos nossos filhos e jovens a rejeitarem os bezerros de ouro, e a se conduzirem com mais reverência na casa de Deus em louvor e adoração.

Autor:Paulo Sabino

2 COMENTÁRIOS

  1. Concordo em partes. Certamente a Igreja como um todo está perdendo o verdadeiro sentido da adoração a Deus, e está muito voltada a sua religiosidade, mas discordo quanto "a levar um funk, hip hop, ou um bando de músicos de boné pra cima do púlpito", afinal acredito mesmo que Deus se importa com a sinceridade do nosso coração querido, existe tanta gente de terno e gravata nas igrejas contaminando os membros e se limitando em dar o seu melhor pro SENHOR, enquanto esses que estão de bermudas O estão adorando em espírito e em verdade, assim como Ele procura, afinal tudo aquilo que muda a aparência sem mudar o coração é absolutamente inútil.

  2. Bom…concordo em quase tudo q o irmão falow
    mas só essa frase ja é estranha:

    "meras palavras sem efeito transformador de vida"

    Por que?´por que eu ja vi bandas de Metal gospel
    tirar 650 pessoas das Drogas e se converteram
    hoje cerca de 30 dessas pessoas ja tem o mesmo nivel espiritual
    que vc tem irmão

    E eu e vc ? quantos tiramos das drogas?

    então é complicado…sei lá
    talves Deus tenha um plano com isso

    eh um assunto bem complexo
    por isso prefiro nem julgar

    Sabia q tem pessoas q salvam outros mas não vaum se salvar?

Deixe uma resposta