Deus Conhece Você, você conhece Deus?

3
Deus Conhece Você, você conhece Deus?
Deus Conhece Você, você conhece Deus?

Deus Conhece Você, você conhece Deus?

Você conhece a Deus?” Quantas vezes usamos esta pergunta para descobrir o estado espiritual de alguém.

Conheço”, a maioria das pessoas dirá, sem fazer idéia de que conhecem a Deus tanto quanto conhecem o presidente dos Estados Unidos — só de ouvir falar.

Mas, vamos voltar a pergunta para nós mesmos: Eu conheço a Deus? Sou evangélico; canto hinos e corinhos sobre Deus; oro e louvo a Deus; falo dele aos outros. Mas eu o conheço mesmo? Ou sou igual ao moribundo Jó? Depois de vários meses de intenso sofrimento ele chega à conclusão de que, apesar de todas as riquezas e demais bênçãos recebidas da mão do Senhor, só o conhecia de ouvir (Jó 42:5)

O livro de Êxodo (6:2-6) narra uma conversa de Deus com Moisés depois de seu primeiro encontro com Faraó: “Falou mais Deus a Moisés e lhe disse: “Eu sou o SENHOR (Javé). Apareci a Abraão, a Isaque, e a Jacó, como o Deus Todo-Poderoso (El Shaddai); mas pelo meu nome, O SENHOR, não lhes fui conhecido… Portanto dize aos filhos de Israel: Eu sou o SENHOR…”

Já estamos no início do século vinte e um. Mas a maioria dos evangélicos ainda se encontra na companhia de Abraão e família, conhecendo a Deus apenas como El Shaddai, o Todo Poderoso, o Deus que FAZ (faz chover “bênçãos” quando as pedimos e resolve todos os nossos problemas físicos e financeiros), permitindo-nos viver uma vida tranqüila de fartura e felicidade.

O problema com essa filosofia de felicidade é o mesmo que Moisés enfrentou do outro lado do Mar Vermelho. O povo festejava a vitória sobre os egípcios. Tudo corria bem. Aliviados, contemplavam os corpos dos soldados egípcios boiando no mar e tinham Deus como herói, o fantástico e maravilhoso libertador de seu povo. Bastaram três dias no deserto de Sur e uma sede de matar, e se esqueceram de que Deus era Todo-Poderoso. Fizeram como você e eu fazemos quando as coisas não acontecem do nosso jeito: se puseram a murmurar, reclamar e duvidar do amor de Deus. Só porque os deixou passar por uma provação considerada incômoda e indesejável.

O contraste entre as atitudes de Moisés e as do povo de Israel durante quarenta anos de milagres, batalhas e provações é muito marcante. Surge a pergunta: Será que eu conheço mesmo a este Deus de Moisés, o SENHOR, o Eterno, com quem ele tinha tanta intimidade, ou conheço apenas as manifestações de seu poder? Minha fé se baseia em seu caráter santo e na sua Palavra infalível, ou apenas nas evidências visíveis de seu amor? Por que minha fé balança quando faltam as evidências?

Troquei de carro certa vez e levei prejuízo, pois logo em seguida apareceram defeitos inesperados. Culpa de quem? Eu tinha buscado a Deus. Pedi a bênção dEle sobre o negócio. Por que não me livrou do prejuízo? Golpeado pelos problemas que surgiam, baqueava minha tênue fé até me deixar triste e abalado. Onde estava Deus na hora da minha necessidade, pois tinha confiado nEle?

Descobri uma triste realidade: Eu não estava confiando no amor de Deus. Minha fé estava alicerçada nas evidências deste amor, e quando as provas faltaram a fé se abalou. Ela deveria estar firmada no caráter imutável de Deus, pois Ele me ama quando tudo vai bem e o mesmo tanto quando, aparentemente, tudo vai mal.

Mesmo Jó reconheceu sua obrigação de aceitar do Senhor tanto o bem quanto o mal (Jó 2:10). No final deste tempo de aflição eu tive que confessar com Jó: “Eu te conhecia só de ouvir mas agora os meus olhos te vêem” (Jó 42:5).

Quando o nosso mundo desaba com os vendavais da vida, ou perdemos a saúde a pedido do diabo, podemos dizer como o apóstolo Paulo: “Eu sei em quem tenho crido” (II Tm.1:12)? Nossas reações numa hora como essa nos mostram a base de nossa fé, se é o próprio Deus ou apenas as bênçãos que estamos acostumados a receber.

Há muitos ventos de doutrina assolando a igreja atualmente, deixando muitos irmãos confusos e frustrados. Mas são as mesmas velhas astúcias do diabo, envoltas em roupagens modernas e coloridas. É como diz Oswald Chambers1 : “São coisas justas, nobres e boas do ponto de vista natural que nos mantêm afastados do melhor de Deus”. Pode ser a atração de “cair no Espírito”, de rir sem parar, de ficar rico, de ter autoridade sobre anjos, de ter saúde perfeita, de ir ao céu e voltar, de ter uma visão de Jesus, de ouvir a voz audível de Deus falando com você, de andar de carro importado, ou outra “bênção” qualquer. Tudo que nos faz tirar os olhos de Jesus, o Filho de Deus, nosso ADONAI (SENHOR), em quem devemos estar crendo sem vacilar, se tornará em armadilha para as nossas almas. O povo de Israel no deserto aceitava os sinais, milagres e bênçãos, mas queria distância do Deus que os amava e abençoava.

Deus pode nos dar ou deixar de dar quaisquer bênçãos materiais. A questão é se vamos confiar nEle mesmo quando não as recebermos. Deus permitiu a degola de João Batista a pedido de uma mulher adúltera, a crucificação de Jesus apesar de sua inocência, e ataques do inimigo contra Paulo durante toda sua vida. Nós aceitamos tudo isso sem problema, mas não aceitamos que Deus possa permitir uma calamidade em nossa vida. Achamos tempo para correr atrás de cada nova promessa de bênção, unção e manifestação, mas não temos tempo para meditar dia e noite na Palavra para conhecermos ao Deus eterno de quem fluem todas as bênçãos espirituais que já são nossas em Cristo Jesus.

Vivemos dias difíceis. E a Bíblia promete dias piores antes da vinda de Jesus. Muitos estão sendo enganados e a fé de muitos está se esfriando. Se quisermos perseverar e permanecer fiéis até o fim, há uma única maneira de nos salvar do engano e das astúcias do inimigo: Uma vida de INTIMIDADE com DEUS através da INTIMIDADE com a PALAVRA. Que a nossa atitude seja, não a do povo de Israel, à busca de bênçãos, e sim, a de Moisés, expressa em Êxodo 33:13: “…rogo-te que me faças saber neste momento o teu caminho, para que eu te conheça, e ache graça aos teus olhos…”

Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao SENHOR (Javé), e Ele nos livrará dos ventos que não são do Espírito.

O Pr. Allan H. McLeud é professor e capelão do Seminário e Instituto Bíblico Betânia, em Altônia, PR

3 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta